02.08.2017 / Gente / por

Híbrido de marca de roupas e produtora de vídeo, Bolovo Productions faz moda para quem quer curtir a vida

Lucas Stegmann veste a coleção Bolovo Expedition Team ©Cortesia
Lucas Stegmann veste a coleção Bolovo Expedition Team ©Cortesia

Deco Neves e Lucas Stegmann consideram-se dois piromaníacos fãs de esportes radicais que encontraram uma bela desculpa para fazer o que gostam. A tal desculpa atende por Bolovo Productions, hoje um híbrido de produtora de vídeo e marca de roupas que surgiu da vontade de “ver ideias maneiras tomarem forma”. Começaram apenas com a produtora, em 2006, e com ela desenvolveram (e estrelaram) o programa MTV Sports, em que fizeram traquinagens das mais diversas por seis temporadas: de andar de bicicleta movida a fogos de artifício a passeios de ski aquático sem ski. Trabalharam também em projetos para marcas como Vans, Adidas e Cotton Project e, desde 2007, aos poucos começaram sua marca própria – “uma camiseta ali, um boné aqui”.

Enquanto marca, a Bolovo é uma extensão da produtora, refletindo o mesmo espírito livre e zoeiro que foge do tédio a todo custo, baseando-se muito mais em experiências do que em tendências ou pirações estéticas para criar sua identidade. Nas prateleiras da loja, em São Paulo (ou no e-commerce), você encontra camisas, jaquetas, mochilas, shorts, gorros, pochetes e também fantasia de banana, arame farpado e filme fotográfico. A ideia é que sejam mais do que peças de roupa ou acessórios, mas ferramentas para você sair e curtir a vida. “Go out make some memories’” é a bandeira que nos mantém em movimento, que nos tira da zona de conforto que naturalmente nos aproxima das pessoas que se conectam com esse mesmo ideal – seja a audiência, clientes, equipe ou amigos”.

Aqui, Deco nos conta um pouco mais sobre a origem e a filosofia da Bolovo.

Como se deu o surgimento da Bolovo? E em que momento vocês decidiram incorporar uma marca de roupas à produtora?

A Bolovo surgiu quando a gente tinha 14 anos, gravando nossas viagens. As roupas vieram porque um dia a gente resolveu fazer umas camisetas pra gente usar, do jeito que a gente curtia e que não encontrava. E aí continuamos num longo e orgânico processo até agora. Não acertamos de prima, nem de segunda, mas estamos aí tentando e curtindo cada vez mais o produto final.

Como vocês descrevem o projeto como um todo? E a marca, em si?

A Bolovo é nossa desculpa pra fazer um monte de coisas que gostamos e chamá-las de trabalho. Seja uma viagem, um vídeo, um rolê com alguém que achamos da hora ou um produto. Nós somos uma marca porque não existe outro nome pra isso,  mas não nos importamos muito com esse “rótulo”. A Bolovo é nosso cotidiano e nosso norte de objetivos na vida. Nosso caminho é nos cercar de velhos e novos amigos. E tentamos estar sempre por aí fazendo coisas que vamos gostar de lembrar quando a gente estiver velho e gagá.

Coleção Bolovo Expedition Team ©Cortesia
Coleção Bolovo Expedition Team ©Cortesia

Quais são as influências de vocês?

Imaturidades em geral e um trabalho de pesquisa pesado no que a gente se interessa em cada momento. Desde referências de coisas antigas e inusitadas a piadas internas e/ou o áudio do whatsapp que a gente tá pirando no momento.

Como se dá o processo de criação das coleções?

A gente faz umas reuniões, começa a pesquisar em cima e vamos deixando as ideias virem. Eu e o Lucas tocamos quase tudo sozinhos durante muito tempo. Hoje em dia nosso time tem duas pessoas focadas em transformar as ideias em artes e produtos. Nosso diretor de arte é o Gregui Vinha e nossa estilista é a Estela Andrade. Time de primeira! Além disso, fazemos algumas colaborações com artistas e designers do Brasil e de fora.

E ao todo quantas pessoas trabalham com vocês hoje?

Hoje em dia somos em nove fixos – sete no Ground Control e duas na loja. E mais um porrada de agregados e amigos. Sem eles muitas coisas não aconteceriam.

É sempre revigorante ver marcas que trazem um pouco de humor para as roupas e identidade visual. Enquanto marca, qual a importância dessa irreverência?

Legal que vocês enxerguem a gente assim. A gente faz as roupas que gostaríamos de usar. E isso é desde uma meia engraçada a uma camisa jeans bem feita, um bootleg, um tracksuit de Plush e vai indo.

©Cortesia Bolovo
©Cortesia Bolovo

Vocês prepararam um filme para lançar a nova coleção, Bolovo Expedition Team. Podem nos contar um pouco sobre isso?

O Bolovo Expedition Team é uma piração bem antiga nossa. E desta vez conseguimos alinhar tanto a parte de produto como a de vídeos juntos. O Filme tem 29 cenas que a gente inventou e uma cola na outra de alguma forma, mesmo uma não tendo nada a ver com a outra. Chamamos nossos amigos e saímos pra gravar. Foram 8 dias na estrada e foi muito legal. Foi um grande desafio e agradecemos muito a Barry Company por entrar junto com a gente nesse projeto.

A filmagem foi animal! Sair por aí voando em aviões com portas abertas, velejando, atropelando barracas, fazendo cachorros dirigir barcos, explodindo coisas. Mesmo que no meio disso a gente tenha que desatolar uns 4 caminhões, passar 26 horas na diária, acordar às 4 da manhã e almoçar às 19h. É isso que é a Bolovo: roubadas e bons momentos. Se alguém pilhar e quiser ver um pouco dos bastidores de como a gente coloca isso de pé, dá pra acompanhar como foram as gravações no Go Out.

De que maneira interligar as várias plataformas de vocês (marca, produtora, canal no YouTube) beneficia a Bolovo? E qual o papel da internet nisso tudo?

O que gostamos é de fazer e contar histórias. Por fotos, vídeos, produtos, eventos, pessoas, mídias sociais… Acho que é isso que torna a Bolovo mais real, natural e autoral. E se der pra juntar mais coisas e fizer um pouco de sentido, vamos fazer. A internet é o que possibilita tudo isso. Obrigado, ó grande onda da web!

Como vocês definem o modelo de negócio da Bolovo?

A receita da Bolovo varia conforme fases, o vídeo já foi a principal fonte, hoje, com o foco maior na confecção, a maior receita vem dela, mas a ideia é equilibrar tudo.

Vocês diriam que a Bolovo Productions é um caso bem sucedido de “do it yourself”?

Olha, tem sido uma baita jornada. Hoje nosso livro de 10 anos está indo pra gráfica, 350 páginas. Não sei dizer se é um caso bem sucedido, acho que são as outras pessoas que julgam isso. Pra gente tem valido a pena!

Quais outras novidades estão planejando para este ano?

Estamos lançando a Stay Classy, uma linha que criamos para poder pirar mais e fazer peças que não necessariamente tem a ver com a coleção disponível, mas que queremos muito. Serão peças de tiragem única e quantidade bem limitada, produzidas com toda nossa atenção. Uma outra novidade é uma linha exclusiva em comemoração aos 10 anos de Bolovo que vai ser lançada junto com nosso livro no começo de setembro.

Bolovo Productions
Rua Dr. Virgilio de Caravalho Pinto, 47, Pinheiros – SP
Seg a Sexta: 11-20hrs / Sabados: 10–17hrs
@bolovo
www.bolovo.com.br


Relacionados


Veja Também