15.05.2016 / Gente / por

Conheça a empresária Andressa Salomone, uma das principais consumidoras de luxo do Brasil

No SPFW com look Reinaldo Lourenço e bolsa Moschino ©Higor Bastos/FFW
No SPFW com look Reinaldo Lourenço e bolsa Moschino ©Higor Bastos/FFW

Por Alexandre Ougata, em colaboração para o FFW

Dizem que os nascidos sob o signo de sagitário são pessoas independentes desde o primeiro minuto de suas vidas, prezam por sua liberdade e falam tudo o que lhes vêm à mente. Essa poderia ser a introdução da personagem desta matéria, não fosse pelo fato de ela não dar a menor atenção às “coisas astrais”.

Andressa Salomone, 24, nunca se preocupou em saber qual o seu ascendente ou a sua sinastria amorosa. Não que ela seja cética, mas acredita que possa gastar melhor o seu tempo com outros assuntos. Ela carrega quase como um mantra o lema “tempo é dinheiro”. A jovem empresária que já abandonou duas faculdades para investir no business da moda, é filha de Hugo Salomone e uma das herdeiras do poderoso grupo imobiliário Savoy, que tem em seu portfólio clientes como Americanas, Havaianas, Pernambucanas, Azul, Riachuelo e Itaú. A empresa é também conhecida como “dona de São Paulo” por já ter acumulado mais de 180.000 m2 comerciais na capital. Ela vive com seus pais e irmãos no charmoso bairro do Pacaembu, em São Paulo.

Há duas temporadas, Andressa começou a chamar atenção pelos corredores do SPFW. Suas produções não passavam despercebidas: ela usava looks totais de marcas como Chanel e Moschino, sem medo de ousar ou brincar com suas bolsas de sabão em pó ou das Meninas Super Poderosas criadas por Jeremy Scott. Dona de um dos closets mais cobiçados pelas moças ricas brasileiras, ela também é uma das únicas clientes daqui que é convidada para eventos exclusivos de grifes como Chanel e Dior, como os desfiles de Resort ou eventos reservados apenas à sua família. Quase todas as boas novas lançadas pelas grifes mais caras do globo, correm direto para sua suíte. Estão lá a prancha de surfe e a raquete de tênis da Chanel, o vestido confeccionado pela Dior em apenas duas peças, a coleção de Hello Kitties, a mesa de pebolim da Louis Vuitton, isso sem citar a infinidade de bolsas e óculos de sol que nem mesmo Andressa sabe dizer quantos são. Foi, aliás, esses “acúmulos” que a levou a ser convidada para o último desfile Cruise da Chanel que aconteceu em Cuba (há quem afirme que ela configura entre as cinco principais clientes da marca no Brasil).

E foi por sua relação “umbilical” –como ela define- com a moda e mais algumas cifras não reveladas, que a levaram ser uma das sponsors da amfAR de São Paulo, ao lado de nomes como Moët Hennessy e Harry Winston. Naquela ocasião, o baile de gala serviria também como pré-lançamento da marca homônima que tem como carro chefe, roupas feitas de moletom.

Ativa nas redes sociais, Andressa já passa dos 29 mil seguidores no Instagram e dos 120 mil likes em sua fanpage do Facebook. Encontramos com ela no SPFW para desvendar mais sobre essa figura que tem chamado atenção e cavado seu próprio lugar ao sol (para poucos) da moda.

FFW: Você não acredita mesmo em astrologia?

Andressa Salomone: Eu não ligo, na verdade, não acompanho. Sou sagitariana e é tudo que sei.

E você tem alguma crença?

Sou católica, mas com um pé no espiritismo. Rezo todas as noites, agradeço pelo meu dia. Faço tudo isso no meu quarto ou durante as viagens. Acho que você não precisa estar dentro de uma igreja para se conectar com Deus. Posso ter fé em qualquer lugar do mundo sem pisar em uma igreja.

Como é a sua rotina? Como você se organiza?

Eu não tenho uma rotina fixa. As atividades vão acontecendo ao longo do dia e vou me adaptando a elas. Como gravo uma vez por semana (ela é repórter de moda do programa Amaury Jr.), às vezes recebo a ligação da produção dizendo que preciso estar em tal lugar daqui duas horas para fazer a chamada. Mas em geral, eu tento ir para academia toda manhã.

Você não parece ser do tipo que gosta de musculação, estou certo?

Detesto (risos). Nem musculação, nem esteira. Prefiro fazer spinning e amo as aulas de localizada. Elas são divertidas, animadas, tocam músicas.

O que você costuma ouvir?

Não sou muito ligada em novidades musicais, me considero eclética. Adoro house.

Você mesma dirige o seu carro?

Não. Até tenho habilitação, mas não gosto de dirigir. Tenho um motorista, o que é ótimo porque como meu tempo é curto, aproveito quando estou no carro para fazer a maquiagem.

Você mesma se maquia?

Faço sozinha. Desde pequena gostava de pegar o lápis de olho da minha mãe para me pintar. Tudo é questão de treino. Eu me pintava tanto, mas tanto que hoje sou quase uma profissional.

E o cabelo?

Cabelo é mais complicado. O meu está curto faz dois meses. Antes, o longo era mais versátil, agora para ficar do meu agrado demanda um esforço. Daí não tem jeito, ligo para o Marcio Granado, meu cabeleireiro, e ele me deixa linda.

Você é extremamente vaidosa, né? Quanto tempo você gasta pensando no look que vai usar?

Não muito. Não tem esta de pensar no look com antecedência, no dia anterior, vai do momento. Às vezes quero ser barbie, outros mais rock and roll. Por exemplo, hoje estava achando meu look muito tradicional, mas queria homenagear o Rei (o dia da entrevista foi também o do desfile de Reinaldo Lourenço). Então escolhi este casaco dele e para dar um pouco de graça, peguei esta bolsa das meninas superpoderosas da Moschino.

Você acha que as pessoas esperam que você vá além do tradicional?

Certamente. Eu sei que as pessoas vão me olhar, mas eu sou alguém fora da curva mesmo. Gosto de atrair atenção, de ser o diferencial. Detestaria que as pessoas me achassem comum.

Então você não dá a mínima para o que falam a seu respeito?

Ligo zero. Eu tenho uma personalidade forte, sou segura das minhas escolhas. Meu pai diz que fui autêntica em todas as fases da minha vida, fui criança, fui adolescente e queria ser igual a Avril Lavigne. Hoje me conheço, estou mais madura.

Você foi uma adolescente rebelde?

(risos) Tive meus momentos de rebeldia. Meu pai sempre quis que eu tocasse os negócios da família, mas minha paixão era a moda. Ele não podia ouvir a palavra ‘moda’ que entrava em pânico. Ele falava que não pagaria um curso de moda para mim. Comecei então, a faculdade de arquitetura, mas as matérias de exatas me pegaram. Fiquei um ano no curso. Desisti e fui fazer direito. Eu nem aparecia nas aulas. Prestei o vestibular de moda escondida do meu pai. Esperei sair na lista de aprovados e contei para ele. No fim, ele acabou aceitando, viu que não tinha para onde correr, era a minha vocação. Hoje ele se orgulha, mas foi uma barra chegar até aqui, levei muito puxão de orelha. Imagina, minha família é super tradicional e discreta, o fato de eu ter abandonado duas faculdades foi um abalo sísmico.

Ele continua te dando uns puxões de orelha?

Eu aprendo muito com o meu pai. Ele é meu herói e minha referência. Agora que estou abrindo minha marca ele tem sido a minha referência.

De alguma forma você também entrou para o mundo dos negócios.

Não exatamente como o meu pai tinha planejado, mas sim. Hoje faço a gestão da marca, que conta com uma equipe de 13 pessoas.

Por falar na sua marca, ela estava no backdrop da amfAR, como isso aconteceu?

Recebi o convite para ser sponsor do evento. Sou muito amiga do Beto Pacheco, que fez a ponte entre a minha marca e a amfAR. Minha família sempre participou do baile e do leilão, achei que seria interessante fazer o pré lançamento da marca lá.

E qual foi o valor para ter seu nome estampado no backdrop?

Não posso falar de valores, até porque eu não sei. Tem uma pessoa responsável pela tesouraria da marca. Eu sou de humanas (risos).

Vamos falar sobre a sua marca. Ela representa o estilo Andressa Salomone?

Sim, a ideia é brincar com o hi-lo. A peça chave da coleção será o moletom, brinco que é um Abercrombie para usar a noite. Um moletom deluxe.

Mas o preço não será de um Abercrombie, né?

Ainda não sei quanto vou cobrar pelas roupas, mas não será nada exorbitante, fora da realidade do mercado. Não vou vender moletom a preço de seda pura.

Você já está trabalhando na coleção, tem data de lançamento? Quem é o seu público?

Já tenho aproximadamente 20 peças que serão divulgadas para a imprensa em breve. A roupa que usei no amafAR é da minha coleção. As vendas serão online a partir do segundo semestre. Quero fazer roupa para todo mundo, até para pets. Sou apaixonada por animais, tenho 12 cachorros.

Doze cachorros? Dá para abrir uma ONG.

Quero abrir uma ONG e escrever um livro, já tenho até o nome: ‘Be fashion by Andressa Salomone’.

O que você lê?

Toda vez que viajo compro aquelas revistas que vendem nos museus. Adoro a “CoolHunting Magazine”.

andressa salomone 7
De Chanel ©Cortesia

Você viaja muito, inclusive a convite de marcas como Chanel e Dior. Como acontecem estes convites?

Sempre fui cliente destas marcas. E os convites começaram a surgir ainda quando eu era menor de idade. Meu pai, muito conservador, não me deixava viajar sozinha, e acabava perdendo os desfiles. A primeira vez que participei foi no desfile cruise da Chanel em Dubai, mas meu pai foi junto.

Já fui para Cannes a convite da Dior. Em 2014 assisti a uma palestra super exclusiva, só para quatro pessoas, com a stylist de acessórios da Chanel, visitei a casa da Coco. Eu acabo virando amiga das representantes das grifes aqui no Brasil, uma relação que vai além do business.

Você conhece o Karl Lagerfeld?

Não o conheço pessoalmente. Quando fui visitar a casa onde morou Coco Chanel, ele estava no andar de cima trabalhando, mas ainda não fomos apresentados. Sou próxima ao staff da Chanel, isso sim.

Chanel é a sua marca preferida?

Eu gosto de todas, mas se você me pressionar acabo dizendo que a Chanel é a minha preferida. Acho a história da marca fantástica e o Karl Lagerfeld um gênio. A ideia da cesta de compras foi maravilhosa.

Você tem esta cesta, não é mesmo?

Ganhei de presente do meu pai. Ele não queria me dar de jeito nenhum, daí me deu de aniversário.

Você já usou?

A cesta sim. Uso porque como mulher consigo colocar tudo o que preciso dentro dela.

E a prancha de surfe da Chanel, já foi para o mar?

Só para fazer uma foto. Eu não sei surfar, até fiz umas aulas, mas não deu certo. Minha coordenação motora não é muito boa. Quando comecei a fazer wakeboard, cai e quebrei a mão. Como faço o programa com o Amaury, não podia aparecer na televisão machucada. Desisti.

Como é a sua relação com o Amaury Jr.?

O Amury é um pai profissional para mim. Estamos juntos há quase um ano e meio, temos uma empatia enorme. O assessor dele diz que eu sou a futura Amaury.

E você quer ser a próxima Amaury?

Ele é incrível. Se eu conseguir ser o profissional que ele é, ficaria satisfeita. Aprendo muito com ele. Mas também me espelho na Costanza Pascolato. Ela é inteligente, elegante, sabe usar a imagem dela e ainda é chamada de papisa da moda.

Como você gostaria de ser chamada pelas pessoas?

Nunca parei para pensar nisso, mas não gosto desta coisa de princesinha do luxo, porque acho infantil, e nem de blogueira, porque meu site não é um blog.

E fashionista te irrita?

Fashionista acho que sou mesmo (risos).

E qual é o estilo da fashionista Andressa Salomone?

Não tenho um estilo definido. Vou do podre ao chique.

O que quer dizer com isso?

As pessoas acham que só uso roupa de marca, é mentira. Uso fast fashion também.

Você já pensou em contratar um stylist?

Já contratei um, mas não deu certo. Ele ia embora e eu trocava tudo. Minha mãe diz que eu não preciso de ninguém para me assessorar visualmente. Até porque eu tenho uma personalidade forte para me vestir e o stylist geralmente quer lapidar. Eu gosto mesmo é desta coisa de muita informação no look.

Qual foi o primeiro objeto de marca que você ganhou?

Foi uma speedy da Louis Vuitton que meu pai me deu.

E o primeiro que comprou?

Foi uma mini lady Dior. Foi uma compra recente até, em 2014.

Você sabe quantas bolsas e sapatos têm no seu closet?

Nunca contei. Não faço ideia. Mas sei de tudo que tenho lá dentro.

Sabe qual é a sua peça mais cara?

Também não sei.

O que você carrega na bolsa?

Hoje estou com o celular, o carregador, óculos e maquiagem. Nada demais.

Você é muito ligada às redes sociais, não?

Super. Registro tudo no meu Instagram e na minha fanpage do Facebook. As pessoas gostam de acompanhar meu dia a dia e acaba virando um diário. Respondo as perguntas que eles me fazem, mando beijos. Gosto das pessoas que gostam de mim.

Você é muito baladeira?

Nada, só gosto de ir a festas das marcas, com pouca gente, sem muito tumulto. Eu sou caseira, na verdade. Adoro ficar em casa com a minha família. Temos o costume de almoçarmos todos juntos aos domingos.

Você tem namorado?

Estou há dois anos com o Pedro Demenato. Ele me apoia em tudo, sabe lidar muito bem comigo. Uma vez uma astróloga perguntou para ele qual era o meu signo, ele respondeu. Como ele é de libra, ela disse que para dar certo comigo ele teria de alimentar os meus sonhos, porque sou muito sonhadora. Sabe o que ele tem feito? Exatamente isso e tem dado muito certo.

Então até que você acredita um pouquinho em astrologia.

Um pouquinho, talvez.

Qual é o seu sonho atual?

Que a minha marca dê certo, faça sucesso.

Tem alguma frase que você usa sempre?

Tem uma que meu pai fala sempre: “tempo é dinheiro”. Porque dinheiro a gente corre atrás, já o tempo não volta mais. Ele diz: “filha, nunca perca o seu tempo”.


Relacionadas


Veja Também