Licorice Pizza e a nostalgia do que era ser jovem nos EUA nos anos 70

Belo filme do diretor Paul Thomas Anderson, com Alana Haim e Cooper Hoffmann, chega ao Oscar com grandes chances de ser injustiçado

Gary Valentine (interpretado por Cooper Hoffman) e Alana Kane (interpretada por Alana Haim)
Gary Valentine (interpretado por Cooper Hoffman) e Alana Kane (interpretada por Alana Haim)

Por Luiz Henrique Costa

Não é exagero afirmar que Paul Thomas Anderson está para o cinema assim como Yves Saint Laurent ou Cristobal Balenciaga estão para a moda. 

Inventivo, vanguardista, criativo, plural e sempre a fuga do lugar comum, mesmo mantendo os seus elementos característicos. 

Anderson exerce profunda intimidade com seus jogos de câmera e longos tiros de rastreamento. Sua câmera acompanha a ação, se movimenta, nos absorve dentro da sua filmografia como um todo, cena a cena. Soma-se ao estilo o uso de luz e cor, quase conflitantes, em amarrações de tirar o fôlego. A ousadia de Anderson nos entrega mais um filme brilhante. 

Na vasta bagagem de Anderson temos verdadeiras pérolas como Trama Fanstasma de 2017, Magnólia de 1999, o estupendo O Mestre de 2012, e claro, Boogie Nights, 1997, talvez o melhor deles e que de alguma forma flerta com o seu novo trabalho indicado ao Oscar Licorice Pizza e todo a ode à Califórnia dos anos 1970 e a nostalgia setentista que novamente encontramos aqui.  licoricepizza2022ffw

Em Licorice Pizza, Alana Kane (Alana Haim) e Gary Valent (Cooper Hoffmann – filho de ninguém menos que Philip Seymour Hoffman) crescem e se apaixonam em San Fernando Valley, na Califórnia dos anos 70. Acompanhar a dupla é o ponto central do roteiro, mas nos trabalhos de Anderson, surpresas e bizarrices sem muita explicação lógica surgem o tempo todo na tela, como nos diálogos e cortes de cena sempre muito envolventes, carregados de naturalidade. Ao mesmo tempo, o filme beira ao enigmático, oscilando entre cenas de humor, sarcasmo, melancolia.

A breve participação de Sean Penn surge como a cereja do bolo.

Não há muito a se contar sobre esse filme nostálgico sem estragar a empolgação que é assisti-lo. Mais uma vez Anderson nos prova que não faz qualquer filme. 

É um trabalho imersivo de roteiro, de atuações, do drama do primeiro amor, de direção de arte impecável e que envolve muita música (Bowie, Nina Simone, The Doors, Paul McCartney). São muitas camadas. 

Mark Bridges, que assina o figurino e já trabalhou com filmes tão distantes entre si como O Artista e o mais recente Coringa conhece muito bem a mente o estilo de Anderson e dos anos 1970 e a parceria que se repete aqui é impecável. O figurinista fez uma profunda busca por peças em brechós e reconstruiu muitas peças, já que grande parte das peças vintages dessa época se encontravam extremamente desgastadas pelo uso e tempo.

Ainda é difícil afirmar se Licorice Pizza será o azarão entre as indicações de melhor filme do ano no Oscar, assim como o diretor Paul Thomas Anderson, mas seria, certamente, justiça. 

Licore Pizza está em cartaz nos cinemas do Brasil.


Relacionados


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×