FFW
newsletter
RECEBA NOSSO CONTEÚDO DIRETO NO SEU EMAIL

    Não, obrigado
    Aceitando você concorda com os termos de uso e nossa política de privacidade

    Como a América Latina vem ocupando novos lugares na moda

    Estilistas da América do Sul e Central tem conquistado consumidores e comandam marcas tradicionais do hemisfério norte.

     

    Adrian Appiolaza ao final de seu desfile de estreia na Moschino.

    Como a América Latina vem ocupando novos lugares na moda

    Estilistas da América do Sul e Central tem conquistado consumidores e comandam marcas tradicionais do hemisfério norte.

     

    POR Vinicius Alencar

    Adrian Appiolaza fez seu début na Moschino, ontem (23.02)o argentino virou o nome da vez, não só por substituir Jeremy Scott – responsável por manter acesa a curiosidade de uma nova geração na marca –, como por ser um latino à frente de uma casa européia.

    O desfile em si foi bem interessante, com um humor menos Instagramável e mais contido, nota-se que Appiolaza olhou bastante pros arquivos e propôs algo divertido e inteligente bem aos moldes do que Franco, fundador da marca, faria: uma alfaiataria descomplicada, elementos pop, um quê de surrealismo e até um ar ufanista – vide o penúltimo look.

    Essa estreia nos fez pensar sobre o crescimento e posições de destaque que vêm sendo ocupadas por nomes latinos no mercado internacional. Poucos sabem, mas Gabriela Hearst é latina (Uruguaia!) – a presença da escola de samba Mangueira, em sua saída da Chloé, se deu por conta da sua veia latino-americana.

    Haider Ackermann e Esteban Cortazar são dois colombianos que fizeram seu nome para além dos trópicos, assim como o dominicano Fernando Garcia (Monse e Oscar de La Renta). Willy Chavaria e Raul Lopez (Luar), ambos de ascendência latina, vem transformando a NYFW.

    O Brasil mesmo viveu um ótimo momento nos anos 2000 com criadores desfilando internacionalmente: Alexandre Herchcovitch, Fause Haten, Osklen e Rosa Chá – quando ainda era uma marca de biquínis e Francisco Costa à frente da Calvin Klein são ótimos exemplos.

    Pedro Lourenço foi outro talento proeminente – com passagem pela La Perla e marca própria, a Zilver, estabelecida em Londres. E, antes deles, Ocimar Versolato assinou para a Lanvin (sim, lá no final dos anos 1990!).

    Atualmente duas brasileiras vem construindo suas trajetórias internacionais e fazendo o mundo olhar para nós de uma nova forma: a veterana Patrícia Bonaldi, na NYFW, e a newcomer Karoline de Vitto, na LFW. 

    Há, como sabemos, ainda uma série de limitações sócio-econômicas que intimidam esse avanço quando comparado, por exemplo, ao número de designers asiáticos nas semanas de moda internacionais. Mas é interessante observar esse crescimento. Que eles abram portas para que mais profissionais latinos conquistem posições de destaque na moda global pois talento temos de sobra.

    Não deixe de ver
    Pabllo Vittar em collab com a Pornograffiti, os novos modelos da Rolex, a bebida especial da Melissa e muito mais
    Sabrina Sato como nova embaixadora da Hope, as denúncias envolvendo a Zara e a H&M e o desmatamento no Brasil, a nova coleção da Dod Alfaiataria e muito mais
    Roberto Cavalli morre aos 83 anos
    Skinny x wide legs: uma preferência geracional?
    COLLAB DO ANO? NIKE E BODE LANÇAM SUA AGUARDADA COLEÇÃO
    Confira o calendário de desfiles da SPFW edição 57
    Anitta, Cher e Demi Moore na abertura da exposição da Dolce & Gabbana, em Milão
    Como Beyoncé ajudou a subir as ações da Levi’s
    Gisele Bündchen no Rio para o lançamento de seu segundo livro, a nova diretora criativa da Bulgari, o brasileiro vencedor de prêmio da Chanel e muito mais
    Contemporâneo Showroom comemora 20 anos com edição na Bienal