10.04.2017 / por

Papo de backstage: Cinco minutos com a top Joan Smalls

Joan Smalls em foto de backstage da campanha da Replay ©Cortesia
Joan Smalls em foto de backstage da campanha da Replay ©Cortesia

A super modelo Joan Smalls fez uma rápida passagem por São Paulo à convite da marca italiana Replay, que abriu sua primeira loja na cidade. Ela está na nova campanha da marca, representando a linha Replay TOUCH, e veio para cá especialmente para a festa de lançamento. Enquanto convidados lotavam o primeiro piso, animado com DJ e drinks, Joan estava no andar de cima, pronta para sua curtíssima rodada de entrevistas.

Maquiada por Ricardo dos Anjos e rodeada por sua manager e assessores da marca no Brasil, Joan representava a tranquilidade em um ambiente incerto: jornalistas aguardavam enquanto a agente inquieta dava a entender que poderia cancelar o resto das entrevistas sem nenhum motivo aparente.

Simpática, sorridente e muito gentil, ela trocou de roupa três vezes, posava para as fotos e até dirigia o fotógrafo, indicando de qual ângulo ele deveria fotografá-la. Nos nossos seis minutos com ela, Joan fala da importância da diversidade nas passarelas e como está fazendo a transição para seus próximos passos profissionais.

Joan Smalls na campanha da Replay Touch, ao lado de Stella Maxwell e Irina Shayk ©Cortesia
Joan Smalls na campanha da Replay Touch, ao lado de Stella Maxwell e Irina Shayk ©Cortesia

Onde você se encontra hoje na sua carreira?

Eu sou profundamente grata. É este o lugar onde estou na minha carreira hoje. Às vezes esqueço de todos os trabalhos incríveis que fiz, os fotógrafos com quem trabalhei, o currículo que criei para mim. Mas hoje estou num lugar onde quero fazer mais e não é somente através do meu rosto, é sobre minha voz, minha opinião. O que eu posso trazer para uma marca que eu aprendi durante minha carreira e em todas as minhas viagens? No momento estou trabalhando com a rede do W Hotels como sua primeira Global Fashion Innovator. Levo novas ideias para criarmos conteúdo e novas experiências para os viajantes.

E você espera que esse tipo de atuação vá aos poucos tomando lugar dos trabalhos como modelo?

Não sei, eu amo meu trabalho, amo o que faço porque me dá essas oportunidades de viajar. Como essa história com a Replay, que me trouxe ao Brasil. Agora eu posso escolher com quem eu quero trabalhar e ser mais criativa no processo. Acho que de qualquer jeito, muito do que eu faço tem a ver com construção de relacionamentos.

Na temporada passada, vimos uma diversidade maior nas passarelas, tanto no Brasil quanto na Europa. Como é sua percepção sobre isso?

É incrível porque as pessoas estão tão conscientes hoje, especialmente com as redes sociais. Toda adolescente tem um perfil em alguma rede e elas têm mais informação sobre o conteúdo que recebem e podem ser mais ativas em suas escolhas e demandas. As pessoas querem que a moda seja mais inclusiva, não apenas em termos de raça, mas de formas, tamanhos, cores. E isso é muito bom, espero que não seja temporário, apenas uma fase. Eu realmente espero que isso permaneça.

A modelo na festa da Replay ©Reprodução Twitter Joan Smalls
A modelo na festa da Replay ©Reprodução Twitter Joan Smalls

Como uma modelo negra e bem sucedida, acha que ajudou a construir esse caminho?

Claro. Não é algo que você perceba enquanto está fazendo porque também está preocupada com o trabalho, pagar as contas, guardar dinheiro, ajudar a família… Mas ao mesmo tempo essa sempre foi a minha mensagem. Eu não sou um estereótipo de beleza. Sou latina, negra, e de uma pequena ilha no Caribe.

Você se vê como um espelho para jovens meninas, especialmente negras e latinas?

Espero que sim. E faço isso apenas sendo quem eu sou e da forma como fui educada por meus pais. Eles me ensinaram a sempre ter orgulho de quem eu sou e não deixar a opinião das outras pessoas me influenciarem porque essa indústria não é fácil, sabe? Há críticas sobre sua aparência o tempo todo e você não tem como controlar isso, então o único jeito é se amar e respeitar.

Quais serão seus próximos passos?

Cinema! E eu estou, na verdade, fazendo uma transição para a área de atuação ao mesmo tempo em que trabalho como modelo e fecho outros negócios. Acho que não é apenas sobre fazer uma única coisa, temos que nos abrir e alastrar. Sabe, isso é o que significa ser uma super modelo. Fazer coisas diferentes, conquistando longevidade com a consistência do seu trabalho.

+ Assista ao vídeo da campanha da Replay Touch aqui


Relacionados


Veja Também