13.03.2020 / Comportamento / por

"Estamos numa posição de ter uma página em branco para um novo começo", diz Li Edelkoort sobre impacto do Coronavirus

A pesquisadora holandesa Li Edelkoort / Reprodução
A pesquisadora holandesa Li Edelkoort / Reprodução

“A epidemia de coronavírus levará a uma recessão global de magnitude nunca antes experimentada, mas eventualmente permitirá que a humanidade redefina seus valores”. Essa frase é da especialista em previsão de tendências de comportamento Li Edelkoort, em uma entrevista ao site Dezeen.

Edelkoort tem uma visão interessante sobre esse acontecimento recente, que está mexendo com as estruturas do nosso sistema e com o cotidiano de milhões de pessoas ao redor do mundo. Ciente dos perigos e ameaças imediatos que isso representa para pessoas de todo o mundo, Li também considera que esta é uma chance para que nós possamos rever nossos valores e reais necessidades. “O impacto do surto nos forçará a desacelerar o ritmo, recusando-se a pegar aviões, trabalhando em nossas casas, entretendo apenas entre amigos ou familiares próximos, aprendendo a nos tornarmos auto-suficientes e atentos. Acho que devemos ser muito gratos pelo vírus, porque ele pode ser a razão pela qual sobreviveremos como espécie”.

Leia abaixo suas principais ideias sobre o assunto:

“Muitas pessoas não entendem o que está acontecendo com nosso mundo e economia no momento. Muitas vezes, nas empresas, até 90% de todos os produtos são fabricados na China a partir de substâncias derivadas de petróleo, como plástico e poliéster. Em breve veremos prateleiras vazias de sapatos, celulares, roupas e até creme dental e teremos escassez de suprimentos médicos”.

“Parece que estamos entrando maciçamente em uma quarentena de consumo, onde o impacto do vírus será cultural e crucial para a construção de um mundo alternativo e profundamente diferente”.

“O adiamento do Salone del Mobile, da Bienal de Arquitetura de Veneza, das orações papais, possivelmente dos Jogos Olímpicos (N.R.: o COI diz que não irá mudar as datas por enquanto) e muito mais, são todos desastres econômicos por si só; que interromperão a circulação do dinheiro. Todos os setores serão abalados, especialmente marcas de luxo, companhias aéreas, hospitalidade, eletrônicos e alimentos importados”.

Bienal de Arquitetura em Veneza divulga suas novas datas / Reprodução
Bienal de Arquitetura em Veneza divulga suas novas datas / Reprodução

“Qualquer pessoa que ainda planeje eventos públicos nos próximos meses também pode encontrar formas inovadoras de se comunicar e retransmitir as informações de maneira diferente.

“Não há como continuar produzindo tantos bens e muitas opções com as quais nos acostumamos. Há uma crescente conscientização entre as gerações mais jovens de que a propriedade e o estoque de roupas e carros não são mais atraentes. As pessoas teriam que se acostumar a viver com menos posses e viajar menos, pois o vírus interrompe as cadeias globais de fornecimento e redes de transporte”.

“O verdadeiro custo do isolamento na Itália e na China e as medidas que também estão sendo tomadas no Japão e Coreia do Sul, levará a uma recessão global de magnitude que nunca havia sido experimentada antes. Esta não é simplesmente uma crise econômica, mas uma crise de ruptura. As pessoas param de se movimentar, param de sair, param de gastar, param de sair de férias, param de ir a eventos culturais, até mesmo à igreja! A cada novo dia, questionamos cada sistema que conhecemos desde que nascemos e somos obrigados a considerar sua possível morte”.

“Mas, de alguma forma, a psique humana é resistente e quer testar se as coisas se dissiparão sozinhas, esperando e aguardando nosso tempo enquanto fazemos negócios como de costume. Portanto, a parada repentina de tudo isso pelo vírus tira a tomada de decisões de nossas mãos e reduz a velocidade das coisas para outro ritmo, assustador no começo. Não estamos mais acostumados a fazer as coisas sem pressa, a esperar por respostas e buscar soluções. Habilidades de improvisação e criatividade se tornarão os ativos mais altos”.

“Infelizmente neste desastre, não há cura imediata. Teremos que coletar o resíduo e reinventar tudo do zero quando o vírus estiver sob controle. E é aí que eu espero que um outro sistema melhor seja implementado com mais respeito pelo trabalho e pelas condições humanas. No final, seremos forçados a fazer o que já deveríamos ter feito em primeiro lugar”.

Leitura feita por satélite compara a poluição do ar na China de janeiro e fevereiro / Reprodução
Leitura feita por satélite compara a poluição do ar na China de janeiro e fevereiro / Reprodução

“As imagens recentes do ar acima da China mostraram como dois meses sem produção limparam o céu e permitiram que as pessoas respirassem bem novamente. Isso significa que o vírus mostrará como a desaceleração e o desligamento podem produzir um ambiente melhor que certamente será visível em larga escala.

“Portanto, se formos sábios – o que, infelizmente, agora sabemos que não somos -, começaremos novamente com novas regras e regulamentos, permitindo que os países voltem ao seu conhecimento e qualidades específicas, introduzindo indústrias caseiras que floresceriam e se tornariam artes e ofícios, onde o trabalho manual é apreciado acima de tudo”.

“Estamos em uma posição de ter uma página em branco para um novo começo, porque muitas empresas e dinheiro serão eliminados no processo de desaceleração. Redirecionar e reiniciar exigirá muita percepção e audácia para construir uma nova economia com outros valores e formas de lidar com a produção, transporte, distribuição e varejo”.


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×