13.06.2018 / Fotografia / por

Na véspera da Copa do Mundo, Juergen Teller abre exposição sobre seu amor pelo futebol em Moscou

Foto de Juergen Teller torcendo ao lado do filho Ed / Reprodução
Foto de Juergen Teller torcendo ao lado do filho Ed / Reprodução

Acostumado a fotografar moda e celebridades, Juergen Teller tem uma outra paixão: o futebol. Na véspera do início da Copa do Mundo da Rússia, o fotógrafo alemão abre a exposição Trembling on the Sofa em Moscou, na galeria Garage, que celebra –ao seu jeito maluco – seu vínculo com o esporte. O espaço pertence a sua amiga, a empresária russa Dasha Zhukova, fundadora da revista Garage e ex-mulher do bilionário Roman Abramovich, dono do Chelsea FC.

As fotos são desprovidas de qualquer glamour e mostra mais o dia a dia e as emoções que qualquer fã de futebol consegue se relacionar, como a foto que abre a mostra, de seu filho Ed torcendo pela Alemanha na vitória do 1×0 contra Argentina na Copa de 2014 (aquela que queremos esquecer). “Queria mostrar o lado absurdo disso tudo”, diz ao The Guardian.juergen-teller

Mas a imagem que mais chama atenção é uma de 2003 em preto e branco em que Teller está nu, fumando e bebendo uma cerveja com uma bola debaixo do pé, sobre o túmulo de seu pai – ele lutou contra o alcoolismo e acabou se matando em 1988. “Meu pai não gostava de futebol e a gente não assistia juntos. Essa coisa do esporte veio da minha mãe”. Sua mãe chegou a ser capitã do time de futebol local da Bavária, onde Juergen nasceu. Teller continua: “meu pai acabou ficando com ciúme do quão próximo eu fiquei dela. Nos anos recentes, eu também comecei a ter problemas com álcool e cigarro e essa foto é quase como uma metáfora”. Por causa dessa foto, a exposição não permite a entrada de crianças sob as leis estritas da Rússia sobre conteúdo adulto.

Juergen gosta de futebol desde criança e hoje usa o esporte como mais uma maneira de estar próximo de seu filho. Em 2012, dois assistentes fotografaram a tristeza dos dois ao ver seu time Bayern Munich perder pro Chelsea nos pênaltis. Na época, ele disse ao seu filho: “Ed, essa é uma situação ganha-ganha. Ou nosso time vence e é incrível ou eu vendo esse álbum de fotos que mostra a gente perdendo pra Dasha”. E foi o que aconteceu. “Ela pagou um valor bem alto por ele”, ri. Mais tarde, Zukhova deu o álbum para seu então marido Abramovich de presente.

Outra obra é uma televisão com um filme caseiro que mostra de Teller fumando, bebendo e xingando na final de 2002 quando a Alemanha perdeu para o Brasil por 2×0.

Pelé e Juergen Teller nos anos 2000 / Juergen Teller / Reprodução
Pelé e Juergen Teller nos anos 2000 / Juergen Teller / Reprodução

Mas sua memória predileta envolvendo um jogador foi quando fotografou Pelé na cama de um hotel no início dos anos 2000. Não apenas por ser o Pelé, mas porque tem uma história de amor por trás. Ele tinha terminado com sua namorada, a marchand Sadie Coles não se falavam há sete semanas. “Ela queria só ser minha amiga”. Até que veio o encontro com Pelé e ele perguntou se o jogador não poderia passar uma conversa em Sadie. “Pelé ligou e a encantou por 20 minutos, perguntando sobre arte, futebol, Brasil e então passou o telefone pra mim. E nós acabamos nos casando”.

 

 


Relacionadas


Veja Também