15.12.2017 / Gente / por

Entrevista: com tom intimista, youtuber Ellora Haonne já reúne mais 300 mil inscritos em seu canal

youcom_ellora

Por Esther Bereznjak, colaboração para o FFW

Com a intenção de falar ainda com mais foco com suas consumidoras, a marca jovem Youcom escolheu a influenciadora Ellora Haonne para participar de sua nova campanha da coleção para o verão 2018.  Com apenas 19 anos, tem ganhado sua fama através do seu canal do Youtube, onde traz como principal tema assuntos sobre comportamento – desde complexidades da adolescência a feminismo, aceitação, racismo e religião – mas sempre de bom humor e de modo muito próximo a seu público.

O assunto mais relacionado a ela, que inclusive é um dos mais procurados em seu canal, é sobre empoderamento feminino e a relação de aceitação do próprio corpo. Ellora conta que já passou por muitos momentos difíceis, e, que como muitos jovens dessa geração, foi vítima de transtornos alimentares. Seus seguidores, maior parte jovens mulheres, a adoram justamente por sua simplicidade e intimidade que traz ao abordar esses temas, não distante e expondo também uma parte de si.

Assim, a youtuber, com seus 310+ mil seguidores, diz querer servir de inspiração para aqueles que a assistem. Confira abaixo um pouco sobre sua história no novo vídeo da campanha e em nossa entrevista:

Quando você se deu conta que havia se tornado uma influenciadora para um público grande? Houve um momento que traduziu essa virada?

Acho que quando comecei a receber e-mails com as histórias de outras meninas sobre seus corpos e como eu tinha participação nisso. É inacreditável como as adolescentes atuais consomem corpos perfeitos e padronizados em todas as mídias, todos dias, o dia todo. As minhas fotos, que só mostram um corpo com algumas gordurinhas naturais, são chocantes para muitas delas.

Contando Instagram e Youtube, você tem mais de 600 mil seguidores. Cansa ter que ser sempre responsável, sempre de bom humor, otimista, sempre passar um exemplo positivo?

Cara, nunca tinha feito essa conta! Quanta gente! Hahahahaha olha, não cansa porque eu não faço a menor questão de sempre alto-astral. Em geral eu sou bem tranquila, mas quando eu estou mal eu sempre aviso, falo sobre meus sentimentos, etc. O que eu filtro mais são costumes que tenho e não acho um bom exemplo, tipo comer muito chocolate ou passar do ponto com a bebida às vezes… hahahah. Mas até sobre isso eu tento conversar, porque se é uma questão pra mim, também pode ser para muitas outras.

Vi que você já passou por transtornos alimentares. O fato de você ter se tornado uma pessoa pública ajudou ou atrapalhou na sua transformação e aceitação do próprio corpo? 

Boa! Também nunca tinha pensado nisso. Eu falei pela primeira vez sobre padrão de beleza num vídeo chamado “um corpo é um corpo”, quando o canal tinha sei lá, menos de 50 mil inscritos. Eu estava superando a bulimia sozinha e gravei aquele vídeo falando algumas indignações sobre representatividade e foi ótimo ver tanta gente concordando, parando para pensar sobre. Me fez e me faz muito bem compartilhar essa história. Esses dias eu usei biquíni pela primeira vez em seis anos e ver toda aquela mulherada chorando e comemorando com você não tem preço.

Qual a sua relação com a moda? 

Moda pode ser o céu e o inferno. O inferno se você usar as modelos e seus caimentos como referência para se vestir e o céu se você conseguir abstrair esse caimento, entender seu corpo e usar isso a favor do seu processo de empoderamento! E eu acho que o momento que estamos vivendo é revolucionário. Daqui cinco anos, o mercado já será muito diferente. Uma vez consenciente dessas questões, não tem garota propaganda ou mocinha de novela que tira isso de você, bb.

screen-shot-2017-12-15-at-12-55-26-pm

Você passa muitas mensagens de empoderamento em seus canais. Há algum trabalho mais profundo que você faz com seus seguidores em relação a isso? Você responde as mensagens de pessoas que sente estarem passando por problemas mais complicados?

Sim, eu recebo muita coisa, acho que é uma relação muito recíproca! O que eu sempre faço é propor algum exercício de autoconhecimento no instagram, tipo fazer um elogio a si mesma, agradecer por algo que aconteceu naquele dia, se desculpar por algo que está incomodando, etc. Quando eu recebo mensagens mais delicadas, como por exemplo, hoje uma menina estava pedindo ajuda porque o ex estava ameaçando expor seus nudes. Aí eu tenho que intervir, falo com ela, mostro o procedimento.

Como você vê a evolução dos canais do Youtube? O que mais há para ser feito para aproximar ainda mais do seguidor/fã?

Acho que o YouTube está cada vez mais bem estruturado e só tende a crescer. Não faz sentido nem para o YouTube nem para os criadores acabar com algo que tem dado tão certo. Sobre a relação fã e youtuber, vai muito do posicionamento de cada criador. A intenção do meu canal é dar conselhos de questões íntimas a pessoas, então a proximidade é maior que um canal de notícias, por exemplo.

Quais canais você gosta de assistir?

Meu deus! Tantos! Mas eu tenho a HONRA de dizer que minhas youtubers favoritas hoje são minhas amigas. Eu sempre quis andar com elas no recreio, sabe? Nataly Neri do Afros e Afins, Luiza Junqueira, do Tá Querida, Maíra Medeiros, do Nunca Te Pedi Nada, e os boys Danilo, do Para Tudo, e Murilo, do Muro Pequeno são os que não saem do meu feed <3


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×