9 coisas que você precisa saber sobre moda e esporte

Karlie Kloss na nova campanha da Adidas by Stella McCartney. A colaboração, que começou em 2004, é uma das mais bem-sucedidas entre moda de luxo e marca esportiva ©Reprodução
Karlie Kloss na nova campanha da Adidas by Stella McCartney. A colaboração, que começou em 2004, é uma das mais bem-sucedidas entre moda de luxo e marca esportiva ©Reprodução

A relação entre a moda e os esportes é antiga, literalmente, secular. O tweed, tecido ícone da provavelmente mais famosa marca de luxo no mundo, a Chanel, veio do mundo esportivo lá pelos idos de 1900, só para citar um exemplo. Muita bola rolou e quicou, fazendo intercâmbios entre quadras, ateliês e passarelas, prolíferos para ambos os times. Dos tênis Converse originalmente usados pelos jogadores de basquete profissionais a partir dos anos 1920 (participaram até de Olimpíadas!), passando pela contribuição essencial do hip hop para alçar os então famigerados abrigos Adidas a item de moda no começo dos anos 80, até o revival dessa mesma referência com um discurso totalmente diferente nas mãos da moda mais hype do momento, dos russos Gosha Rubchinskiy e Demna Gvasalia (o último, na Vetements), veja a seguir 9 conexões entre a moda e o esporte que você precisa saber. A décima esperamos de você: se tivesse que escolher apenas uma conexão entre moda e esporte para completar a nossa lista, qual seria? Escreva na área dos comentários!

+ Guia FFW – Rio de Janeiro: Um giro pelos hotspots cariocas para os Jogos Olímpicos

1. Tweed

 

O famoso tailleur de tweed, invenção de Chanel com tecido usado originalmente para caçadas, cavalgadas e outros esportes da aristocracia britânica ©Reprodução
O famoso tailleur de tweed, invenção de Chanel com tecido usado originalmente para caçadas, cavalgadas e outros esportes da aristocracia britânica ©Reprodução
Copiando a aristocracia inglesa, a classe média começou também a usar o tweed entre o fim do século 19 e início do 20 em todos os esportes: golfe, ciclismo, caminhadas ©Reprodução
Copiando a aristocracia inglesa, a classe média começou também a usar o tweed entre o fim do século 19 e início do 20 em todos os esportes: golfe, ciclismo, caminhadas ©Reprodução

Um dos primeiros sucessos de apropriação de elementos esportivos na alta moda aconteceu em 1924, quando Coco Chanel pegou o tweed, tecido que viu nas roupas usadas para caça e cavalgada de seu então namorado inglês, o Duque de Westminster e o usou para criar roupas femininas. Pronto, o tecido utilizado para práticas esportivas pela aristocracia britânica (e depois copiado pela classe média, do século 19 em diante), inventado em Tweed, na Escócia, seria, a partir de então, conhecido como o material da icônica jaqueta Chanel.

2. Made in USA
Se a alta-costura é, sem dúvidas, francesa, o sportswear é invenção dos norte-americanos. Ainda que haja, claro, referência esportiva nas roupas europeias (o tweed de Coco Chanel está aí para não deixar ninguém mentir), o uso maciço de peças casuais, vindas dos modelos usados para fazer esporte ou para assistí-los, com tecidos práticos e comprados em peças prontas (ready-to-wear), separadas e intercambiáveis (saia e blusa, calça e blusa) é obra dos Estados Unidos. A tendência começou nos anos 1920 e já nos 1930 havia sido cunhado o termo sportswear.

3. Converse

 

Propaganda do tênis Converse, usado desde os anos 20 e por décadas pelos atletas de basquete, inclusive nas Olimpíadas ©Reprodução
Propaganda do tênis Converse, usado desde os anos 20 e por décadas pelos atletas de basquete, inclusive nas Olimpíadas ©Reprodução

O tênis All Star Converse, hoje clássico da moda indie e roqueira, foi criado em 1917 para o mercado de basquete. Em 1921, a Converse começou a patrocinar o jogador Chuck Taylor, que acabou dando o nome ao modelo que foi usado por décadas nas quadras esportivas profissionais, participando inclusive de Olimpíadas.

4. “My Adidas”

 

O trio Rum-D.M.C. em foto de 1987, um ano antes de gravarem o hit "My Adidas"
O trio Rum-D.M.C. em foto de 1987, um ano antes de gravarem o hit “My Adidas”

Os abrigos e tênis Adidas nunca mais seriam vistos do mesmo jeito depois que o trio Rum-D.M.C. transformou os agasalhos e tênis brancos da marca em uniforme do hip hop, o movimento de música e lifestyle que é uma das influências essenciais da moda contemporânea (com todos seus outros acessórios, incluindo as maxicorrentes e anéis de ouro), ponto de partida para todo esse novo streetwear esportivo proposto por Gosha Rubchinskiy, Vetements, Public School e outros.

5. A atlética Calvin

 

Campanha dos anos 90 da Calvin Klein com o sarado Mark   Wahlberg e Kate Moss  ©Reprodução
Campanha dos anos 90 da Calvin Klein com o sarado Mark Wahlberg e Kate Moss ©Reprodução

A Calvin Klein se reinventou nos anos 90 ao criar sua versão do minimalismo europeu e virar a principal representante norte-americana do estilo, que ganha olhar renovado graças à conexão que a grife faz com o…esporte. Mais especificamente, a casualidade “relax” esportiva, assim como a estética atlética vista em Mark Wahlberg, garoto-propaganda da marca nos anos 90. O minimalismo da Calvin Klein é sensual, sexual, mas sempre elegante, muito por conta dos decotes emprestados do universo esportivo, como o recorte nadador e a regata e os shapes alongados. Com a contratação de Raf Simons como novo diretor criativo global da label, essa relação entre moda e esporte deve entrar numa nova e promissora fase, talvez a melhor da história da grife em termos fashion.

6. Balenciaga e suas coleções de 2003 e 2008

 

O Verão 2003 da Balenciaga, inspirado no surfe, assinado por Nicolas Ghesquière  ©Reprodução
O Verão 2003 da Balenciaga, inspirado no surfe, assinado por Nicolas Ghesquière ©Reprodução
O Verão 2008 da Balenciaga: shapes aerodinâmicos com volumes que remetiam a corridas de carros mas também ao uniforme do futebol americano, com muitas referências esportivas  ©Reprodução
O Verão 2008 da Balenciaga: shapes aerodinâmicos com volumes que remetiam a corridas de carros mas também ao uniforme do futebol americano, com muitas referências esportivas ©Reprodução

Sob a direção criativa de Nicolas Ghesquière durante os 15 anos do estilista à frente da marca, a Balenciaga fez algumas das intersecções esportivas mais brilhantes da moda contemporânea. As referências ganham interpretações tão sofisticadas que chegam a fazer uma fusão entre o esporte e o design de alto luxo. Ghequière já se inspirou no basquete, nas corridas de carro e mais uma infinidade de modalidades, pegando detalhes comuns e pontuais para criar suas coleções. Dois momentos inesquecíveis são os acima: o surfe no Verão 2003 e o Verão 2008 (meu preferido de todos), com os volumes aerodinâmicos, que ele disse virem das corridas de carro mas que também lembram uniformes de futebol americano e tantas outras viagens esportivas.

7. A pioneira parceria da Adidas com Stella McCartney

 

Lookbook da nova coleção Inverno 2016/17 da Adidas by Stella McCartney ©Reprodução
Lookbook da nova coleção Inverno 2016/17 da Adidas by Stella McCartney ©Reprodução

Depois da “parceria” involuntária entre a Adidas e o hip hop nos anos 80 (que alçou a grife ao posto de marca de moda), a colaboração de Stella McCartney com a grife alemã forma a dobradinha entre uma marca de luxo e uma de esporte mais longeva e bem sucedida do gênero. Praticante e apaixonada por esporte, a estilista desenha peças ao mesmo tempo funcionais e com design apurado nos detalhes e cartela de cores.

8. Vetements

 

Os hoodies, que viraram marca registrada da Vetements e são influência direta do agasalho esportivo com capuz
Os hoodies, que viraram marca registrada da Vetements e são influência direta do agasalho esportivo com capuz

O streetwear da Vetements traz a inspiração crua das ruas e a torna luxuosa, porém sem perder seu DNA, que tem muito do esporte, a começar pelo item que virou hit e marca registrada do coletivo francês encabeçado pelo russo Demna Gvasalia: os hoddies, ou agasalhos esportivos de moletom com capuz. Há muita ironia na moda que o coletivo Vetements criou para ser “antimoda” e que hoje dita tendência no high fashion parisiense e mundial e isso inclui as referências de marcas esportivas clássicas mas nada fashion, como a esportiva Champion

9. O Verão 17 de Gosha Rubchinskiy

 

Gosha Rubchinskiy Firenze Masculino- Verão 2017 junho/2016 foto: FOTOSITE
Gosha Rubchinskiy
Firenze Masculino- Verão 2017
junho/2016
foto: FOTOSITE

Nascido na Rússia ainda comunista, sem formação acadêmica em moda e com uma estética que mistura a velha União Soviética, sua reação ao capitalismo pós 1991 e a descoberta das influências do resto do mundo, Gosha Rubchinskiy é, hoje, um dos hot tickets do momento, parte do time russo que vem chacoalhando a moda internacional. Sua primeira coleção, lançada em 2008 com o nome de Evil Empire,  já trazia elementos claramente esportivos, vindos especialmente do atletismo, do ambiente dos vestiários mesclados à cena noturna. Em seu mais recente desfile, apresentado na Pitti Uomo, o esporte vintage é o foco, com agasalhos, conjuntos de jogging e shorts das marcas FILA e Kappa mesclados com alfaiataria e streetwear.

+ Veja desfile completo de Gosha Rubchinskiy na Pitti Uomo

+ Saiba mais sobre Gosha Rubchinskiy

10. Escreva abaixo, na área de comentários, a contribuição entre moda e esporte que você acha que deve entrar nessa lista!


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×