19.08.2019 / Moda / por

Bemglô: Betty Prado fala sobre a loja de marcas sustentáveis que abriu com Glória Pires

Uma das ruas de compras mais conhecidas do Brasil, a Oscar Freire ganhou há três meses uma loja com uma proposta diferente de suas vizinhas. A Bemglô estimula o consumo consciente através de uma curadoria de marcas pequenas adeptas do slow fashion.

Por trás da multimarcas, está a consultora artística Betty Prado (também uma das melhores modelos que o Brasil já teve) e o casal formado pela atriz Glória Pires e o músico e empresário Orlando Moraes. Betty, que até então trabalhava na Globo como consultora artística, deixou o trabalho para se dedicar a isso.

O FFW fez uma visita à Bemglô, ouviu as histórias de todas as marcas evolvidas e bateu um papo com Betty (experimentando uma kombucha artesanal de alfazema), que contou como esse encontro se deu e como eles, de pouco em pouco, foram construindo essa “rede do bem”, que descobre talentos e alimentam a criatividade e produção de marcas ligadas a prática do Comércio Justo.

Entre as marcas que podemos encontrar no charmoso espaço da loja, estão as roupas atemporais de Iara Wisnik, Juliana Gevaerd e Irrita (marca da Rita Comparato), as joias de Marina Sheetikoff, as cerâmicas lindas da Fátima Moreira, cosméticos naturais da Quintal, Face It e Terral, e as peças muito legais da Kite Coat, que transforma velas de kitesurf em jaquetas únicas – uma vela de kite dura 300 horas, mas leva 300 anos para se decompor. “Que conta é essa? Assim não tem planeta que aguente mesmo”, diz Betty, que fala apaixonadamente sobre o assunto e tem orgulho das grifes que conseguiu reunir em seu espaço, todas pequenas e slow, vivendo sob o mesmo propósito. Se nos anos 90 a gente cantava animadamente na pista “one nation under a groove”, agora vivemos um conceito parecido, porém em outro ritmo.

Betty Prado e Glória Pires na entrada da loja Bemglô / Foto: João Sal
Betty Prado e Glória Pires na entrada da loja Bemglô / Foto: João Sal

Como surgiu a Bemglô?

Foi há quase cinco anos do encontro de três amigos: a Glória Pires, o Orlando Moraes e eu. Somos amigos há mais de 30 anos e o Orlando queria criar uma linha de produtos ligados à imagem da Glória. Ela também adora compartilhar coisas, desde a receita de um desodorante sem alumínio a um bolo sem glúten. E eu tenho uma ligação muito forte com a natureza e vinha de uma imersão na tecnologia. Então pensei: por que a gente não junta as coisas e cria uma plataforma de e-commerce com conteúdo?

Hoje isso é uma coisa normal, todos os bons e-commerces produz algum tipo de conteúdo, mas há uns anos essas duas coisas andavam separadas, não?

Quando começamos, esse tipo de plataforma não existia. Venda era venda e conteúdo era conteúdo. Se você quisesse fazer conteúdo, você criava blog, ele não andava junto com o e-commerce. Então esse foi o primeiro desafio: o de criar uma plataforma proprietária, que custou os tubos, mas queríamos ser fiel a essa ideia do produto que contasse histórias. Cada produto tem um storytelling por trás e diariamente a gente tem os conteúdos no site pra falar de vida saudável, bem estar, cultura.

 


View this post on Instagram

A @iarawisnik_ é uma marca independente e autoral que desde 2014 desenvolve um mix enxuto de peças que priorizam o design limpo, processo artesanal e o conceito de armário capsula. . O objetivo é oferecer produtos essenciais e roupas pensadas para terem um longo ciclo de vida, que podem ser utilizadas de diferentes formas e evitem o desperdício. Além disso, a marca prioriza as fibras naturais, a utilização de materiais de descarte e respeita o tempo dos processos de feitura. . Visite a #BemglôOscarFreire para conhecer de perto detalhes da coleção. Estamos na Rua Oscar Freire, 1105. 🌿 . . . #bemglo #iarawisnik #slowfashion #fashionrevolution #quemfezminhasroupas #artesanal #moda #modaartesanal #modabrasileira #designbrasileiro #feitoamao #sustentabilidade #ébomfazerobem #compartilharoquefazbem

A post shared by Bemglô (@bemglo) on

Sustentabilidade também é outro assunto que começou a ser falado há pouco tempo. As pessoas ainda não ouviam sobre ou tinham acesso a marcas e produtos como hoje. 

Quase ninguém falava sobre isso, éramos um ET e nosso trabalho foi formiguinha. E também tínhamos a preocupação de como comunicar isso sem ser xiita, sem ser chato? Nosso slogan é: a Bemglô é uma plataforma que compartilha o que faz bem. Mas como você compartilha isso se o outro nã quer ouvir? Então teve todo um trabalho por trás.

Aqui você vende roupa, joias, acessórios, brinquedos, cafés… Como é feita a curadoria? Como você chega nessas marcas e fornecedores que realmente fazem um trabalho sério nesse sentido?

Não é fácil chegar num produto com procedência e storytelling. Hoje tem muita gente que nos procura, diferente de antigamente. Cinco anos atrás, a gente tinha que buscar, pesquisar muito e também não tínhamos o conhecimento necessário pra fazer uma boa escolha. Fomos nos aprimorando, conhecendo com mais profundidade e hoje temos vários canais, além de uma equipe que está atenta a isso o tempo inteiro. Então é uma pesquisa constante, do dia a dia, mas muitas marcas têm a ver com a minha experiência de vida, assim como muita coisa que vem da Gloria tem a ver com a experiência dela, com as buscas dela. A Quintal, por exemplo, é uma marca maravilhosa que une produtos naturais com alta tecnologia. A Gloria já usava.  O Encauchados da Amazônia, eu descobri num post e fui pra Belém pra ver o produto de perto, então é garimpo mesmo. Tem muita coisa bacana que você ressignifica com criatividade e propósito.

 


View this post on Instagram

Vamos construir juntos um Dia das #MãesConscientes? 💚 Na hora de presentear, dê atenção especial aos produtos sustentáveis, com procedência e feitos à mão. Essa é uma forma de incentivar a conscientização ambiental e valorizar o trabalho artesanal. . Acesse nossa loja bemglo.com ou link na bio para conhecer o trabalho das artesãs do grupo Nós do Ponto Chic, que transformam malotes bancários em bolsas! A Bolsa Cordel com Listras é um exemplo dessa iniciativa que gera renda a partir do design brasileiro e do reaproveitamento. ♻🌿 . . . #bemglo #reaproveitamento #quemfezmeusacessorios #meioambiente #artesanal #feitoamao #redeasta #procedência #sustentabilidade #feitonobrasil #arte #cultura #artebrasileira #artesanatobrasileiro #ébomfazerobem #compartilharoquefazbem ⠀

A post shared by Bemglô (@bemglo) on

Vocês também têm uma parceria importante com a Rede Asta, que tem uma atuação bem importante com mulheres e na economia do feito à mão.

Eu também descobri sobre eles na internet e foi um encontro maravilhoso, um divisor de águas pra gente. A Rede é um negócio social que capacitou mais de duas mil mulheres e precisava de ponto de venda para os produtos que elas criavam. Eles pegam resíduos da indústria e transformam em produtos que vão desde bolsas a acessórios, sapatos, porta-lápis… Tem bolsa feita com resíduos de lona do Banco do Brasil, por exemplo. E as histórias dessas pessoas são muito ricas. Gloria e eu fomos conhecer esses grupos, ver onde e como essas mulheres vivem. Todas vivem em zonas de risco, todas têm mais ou menos a mesma história, perderam o marido, perderam o filho pro tráfico, assassinado… Eram mulheres no chão e, de repente, aparece um projeto que resgata essa autoestima e abre uma janela pra elas.  Então, a Rede Asta precisava de um ponto de venda e nós dos produtos que têm uma história por trás.

 O consumidor hoje dá valor a esse tipo de produto?

Acho que, cada vez mais, as pessoas estão sacando isso e se importando com impactos e, principalmente, em fazer essa reflexão. Precisamos repensar esses valores.A moda precisa rever seus valores. É muito voraz. E quando você vira essa chave, é um universo que se abre. Eu sempre tive uma vida ligada a natureza e a questões sócio-ambientais, mas a partir da Bemglô um universo se abriu. E pra mim, sustentabilidade começa nas relações humanas. Por de trás de cada produto existem pessoas. Quem são essas pessoas? É uma economia criativa e afetiva.

As marcas que vocês vendem convidam a essa reflexão sobre o consumo, apesar da necessidade que elas têm também de serem compradas. 

Esse é o propósito da Bemglô, fazer você refletir sobre pequenas atitudes que estão automatizadas no nosso dia a dia, como o uso do copo plástico. Cocê vai em qualquer consultório médico, toma um copo de água e em cinco segundos joga o copo fora Pra onde vai isso? Ninguém pensa, é automático. Existem estudo seríssimos que mostram que, se a gente não mudar, em 2050 vai ter mais plástico do que peixe nos oceanos. Na Ásia isso já está acontecendo.

E como é estar no meio da Oscar Freire, uma rua que sempre vendeu o consumo pelo consumo, o consumo em excesso como um valor pra você se destacar?

A gente tem aqui uma tarefa que é uma mudança de comportamento e paradigmas e a escolha da Oscar Freire foi muito nesse sentido, de furar a bolha: vamos falar de consumo consciente numa rua de consumo por consumo. Eu poderia estar na Vila Madalena, por que estou aqui? Pra fazer com que as pessoas que entrem aqui passem a refletir sobre o seu consumo. Você entrar aqui porque tem um super astral, porque é um lugar gostoso e você veio tomar um café. Não precisa comprar nada… Mas de alguma forma você vai ser impactado a fazer essa reflexão. Como é essa cadeia? Como é a mão de obra? E os materiais? Por que cada marca está aqui? Não precisa? Então não compra. Precisa? Então saiba o que você está comprando e de quem está comprando.

 

Bemglô

Rua Oscar Freire, 1.105
Jardim Paulista, São Paulo
(11) 94509-4181
Horário de funcionamento
Seg – Sáb de 10h às 20h
Dom e Feriados de 12h às 18h


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×