25.08.2015 / Moda / por

Conheça a Också, marca de Porto Alegre que faz moda global com pegada escandinava

Concreto-Armado-FW-2015-Miguel-Soll-Joao-Gabriel-Maracci (9)

Också é uma palavra que em sueco quer dizer “também”, “igualmente”. Para Igor Bastos e Deisi Witz, a palavra caiu como uma luva para as roupas unissex que eles começavam a criar ainda em 2013. Para a dupla, a palavra ganhou um significado próprio, “aquilo que tem o poder de somar”, e assim nasceu a marca Också. A escolha de uma palavra em sueco não foi por acaso, já que eles precisavam de um nome para se inscreverem no prêmio Rio Moda Hype. Assim, Deisi e Igor, que adoram a estética dos países escandinavos, acharam a palavra perfeita.

Ocksa-marca-Porto-Alegre-Igor-e-Deisi-Cartel-011
Igor Bastos e Deisi Witz, os criadores da Också ©Divulgação

Deisi, de Bento Gonçalves, na Serra gaúcha, encontrou com Igor no curso de Design de Moda da faculdade UniRitter, em Porto Alegre, onde ele nasceu. Com as criações — e um bom nome — em mãos, a Också foi uma das cinco marcas selecionadas para o Rio Moda Hype Outono/Inverno 2014, que aconteceu no fim de 2013. A chancela do concurso era o que faltava para que a UniRitter passasse a investir e dar suporte aos novatos — e até hoje, mesmo depois de formados, eles contam com o auxílio da universidade nas questões administrativas da marca. Desde então, já apresentaram seu trabalho em semanas de moda internacionais, como Berlim e Vancouver, e foram semifinalistas do concurso MUUSE x “Vogue” Itália. Há duas temporadas, apresentam suas coleções na Casa de Criadores, em São Paulo.

A dupla mostra que está antenada com o que de mais novo acontece na moda ao criar roupas que não são feitas para homens ou para mulheres — como as peças são baseadas em moulage, há algumas exceções. A moda unissex e atemporal de corte quase contestador de Deisi e Igor também se ensaia na tendência do slow fashion e do lowsumerism (ainda que as marcas ainda estejam tentando entender como sobreviver nesse novo cenário): em vez de duas coleções por ano, eles elegem um tema anual que contará com peças para dias quentes e outras para dias frios, mas todas elas se conversando — e se combinando, o que aumenta as possibilidades de uso para o consumidor.

Se o ano passado foi o momento de delinear uma identidade, o grande desafio da Också em 2015 é marcar presença também comercial. E a identidade está intimamente ligada ao desafio comercial. A escolha de uma palavra em sueco para uma marca que declaradamente se inspira na estética escandinava, minimalista e clean diz muito mais sobre ela do que seus criadores possam ter imaginado. No ensaio “A Estética do Frio” (1992), o cantor, compositor e escritor Vitor Ramil discorre sobre a existência de uma estética comum na música e na literatura da região do Sul da América do Sul, unidas pelo frio, o que certamente existe também na moda. E, nesse mundo globalizado, parece pouco provável que não existam padrões na estética do frio que unam as regiões de clima temperado para baixo (ainda que na Escandinávia faça muito mais frio do que em Porto Alegre). É claro que não estamos falando objetivamente das temperaturas, até porque também faz muito calor em Porto Alegre no verão, mas na estética e no estilo de vida imposto pelo clima aos habitantes de regiões onde as quatro estações são bem definidas.

A marca já pode ser encontrada na multimarcas Pandorga, em Porto Alegre. Desde julho, as peças estão à venda na Cartel 011, em São Paulo. Mas a dupla não foca exclusivamente no mercado brasileiro e já tem planos de vender no exterior. O que, aliás, fazem muito bem, já que certamente seu público não pode ser delimitado pelas fronteiras geopolíticas dos países.

Assista a vídeos da Också selecionados para o Fashion Film Festival de Chicago:

Spectrum – Också S/S 15 from Också on Vimeo.

Tudo é deserto – Också A/W 14 from Också on Vimeo.

Clique na galeria para ver mais fotos de coleções da Också.


Relacionadas


Veja Também

Assine a Newsletter do FFW

Receba semanalmente no
seu e-mail nossos conteúdos
especiais e exclusivos

×