25.02.2019 / Moda / por

Despedida na Chanel, estreias e energia jovem dão tom da semana de moda de Paris

Um dos símbolos de Paris na imagem do desfile masculino da Dior / Cortesia
Um dos símbolos de Paris na imagem do desfile masculino da Dior / Cortesia

A semana de moda de Paris começa nesta segunda, ainda abalada pela morte de Karl Lagerfeld, seu maior ícone. Naturalmente, todos os olhos estarão focados na Chanel e na coleção que marca seu último trabalho para a marca onde foi diretor criativo por mais de 30 anos. Apesar de Virginie Viard ter sido apontada como nova diretora criativa da Chanel poucas horas após sua morte, o desfile terá um ar de despedida e será certamente carregado por fortes emoções. Esse é o clima principal da semana que encerra os lançamentos da temporada de Inverno 19/20, mas outras marcas e designers também estão na mira de editores e jornalistas.

Entre as grandes grifes, um artigo no Business of Fashion aponta para Celine e Alexander McQueen, que pertencem ao conglomerado LVMH e a Saint Laurent, do grupo Kering, respectivamente. Ambas estão recebendo grandes investimentos que, claro, vêm acompanhados de novas metas de crescimento. A Saint Laurent desfilará na terça (26.02) numa mega tenda toca espelhada montada no Trocaderó, em frente à Torre Eiffel.

Outro destaque é o desfile da Lanvin (27.02), que volta para a semana de moda após um período conturbado com troca de estilistas, em termos de negócios e irrelevante em termos de moda. Bruno Sialelli, o novo diretor criativo, estreia na marca e parece ser a pessoa que irá despertar a Lanvin do sono profundo que a acometeu desde a saída de Alber Elbaz. Ex-estilista do masculino da Loewe, Sialelli é o quarto diretor criativo da grife em menos de quatro anos.

Quem também tem nova direção criativa é a Lacoste. Louise Trotter está com a missão de levar a marca francesa para além de suas polos com logo de jacaré.

SANGUE NOVO

Porém, uma das principais mudanças macro pela qual a semana de Paris passou recentemente é o trabalho bem sucedido da Federação Francesa da Alta Costura e do Pret-à-Porter  para atrair novos designers à desfilar no calendário parisiense e que têm injetado ar fresco que sopra muito além da moda francesa. Jacquemus, Marine Serre, Y-Projetc, Ottolinger e Atlein são alguns dos talentos emergentes que valem à pena acompanhar. “Nós estamos felizes em criar um cenário que permite uma maior diversidade no calendário”, disse ao BoF Pascal Morand, presidente executivo da FHCM.

ESTREIAS

 

 

 

 

 

rushemy botter e lisi herrebrugh que estreiam na nina ricci
Outro destaque entre as estreias é o estilista sul coreano, ex-Celine, Rok Hwang, da Rokh. Vale também prestar atenção à dupla Rushemy Botter e Lisi Herrebrugh (foto) e seu desfile de estreia à frente da Nina Ricci. Com sua marca Botter, eles venceram um dos principais prêmios no Festival de Hyères 2018.

A semana de Paris é a principal entre todas por ter não só as marcas mais importantes do mundo, mas também dar espaço para a vanguarda da moda. Cerca de cinco mil visitantes vão à cidade para o evento para ver os desfiles e fazer negócios.

Porém, Paris (e a França) se vê em meio aos grandes protestos semanais dos Coletes Amarelos contra as políticas econômicas e liberais do presidente Emmanuel Macron. O desfile masculino da Dior em janeiro, precisou ser reprogramado por conta das manifestações. Algumas lojas foram fechadas temporariamente e carros queimados. Thomas Chauvet, chefe de pesquisa de capital de bens de luxo do Citi, cita “o atual ambiente macroeconômico marcado pela guerra comercial China-EUA,  a agitação social na França e a incerteza do Brexit” como um cenário que poderia impactar o varejo de luxo, mas mostra que os grupos do segmento estão se mostrando bastante resilientes e sofrido pouco em relação a esse momento.

O calendário completo é sempre divulgado aqui e o FFW faz a transmissão ao vivo de alguns desfiles. Fique de olho!


Relacionadas


Veja Também

Assine a Newsletter do FFW

Receba semanalmente no
seu e-mail nossos conteúdos
especiais e exclusivos

×