FFW Cast: Casa Gucci – EP20

A mais famosa história de glamour, traição, morte e prisão no mundo da alta moda que havia quase caído no esquecimento

podcast-casa-gucci-2021-ffw

Na semana da chegada aos cinemas de House of Gucci, o filme do diretor Ridley Scott com Lady Gaga, Adam Driver, Jared Leto, Al Pacino e Jeremy Irons, Augusto Mariotti e Camila Yahn dissecam nesse episódio do podcast toda a trágica história do assassinato de Maurizio Gucci à mando de sua ex-mulher, Patrizia Reggiani que no filme é vivida por Lady Gaga, nessa que ainda é a mais famosa história de glamour, sexo, traição, morte e prisão no mundo da alta moda e que havia quase caído no esquecimento.

E graças ao filme baseado no livro Casa Gucci: Uma História de Glamour, Cobiça, Loucura e Morte, da jornalista Sara Gay Forden, a história de assassinato, loucura, glamour e ganância foi tirada do esquecimento e descoberta pela primeira vez pela grande maioria das pessoas.

Saiba tudo sobre o filme Casa Gucci que retrata a fatídica história do assassinato de Maurizio Gucci e tem estreia marcada para quinta-feira, dia 25.11 nos cinemas do Brasil.

*transcrição do episódio

Casa Gucci: A mais famosa história de glamour, sexo, traição, morte e prisão no mundo da alta moda que havia quase caído no esquecimento

Na semana da chegada aos cinemas de House of Gucci, o filme do diretor Ridley Scott com Lady Gaga, Adam Driver, Jared Leto, Al Pacino e Jeremy Irons nós preparamos esse podcast especial que detalha toda a trágica história do assassinato de Maurizio Gucci à mando de sua ex-mulher, Patrizia Reggiani que no filme é vivida por Lady Gaga, nessa que ainda é a mais famosa história de glamour, sexo, traição, morte e prisão no mundo da alta moda e que havia quase caído no esquecimento.

E graças ao filme baseado no livro Casa Gucci: Uma História de Glamour, Cobiça, Loucura e Morte, da jornalista Sara Gay Forden, a história de assassinato, loucura, glamour e ganância foi tirada do esquecimento e descoberta pela primeira vez pela grande maioria das pessoas.

Vamos começar esse episódio do podcast com uma breve história da Gucci, uma das marcas de moda mais conhecidas do planeta:

Guccio Gucci era porteiro do Hotel Savoy, em Londres, quando decidiu abrir a sua própria marca de malas. Em 1921, ele criou a Gucci em Florença. Naquele momento, como uma fábrica de acessórios de viagem que produz, sobretudo, artigos de luxo de couro e, um pouco depois, equipamentos equestres. Em 1993 Maurizio Gucci vende a maison para a Investcorp, encerrando a ligação da família com a empresa homônima. Após a morte de Rodolfo, ele arquiteta para tirar o resto da família da jogada, assumindo a liderança da empresa e posteriormente sua venda. A empresa perdeu milhões sob seu controle. Reggiani estava certa, pelo menos, que Maurizio estava administrando mal os negócios e não criando receita suficiente para executar suas grandes ideias. Sua fortuna pessoal estava diminuindo e ele foi forçado a vender a Gucci totalmente para a Investcorp por 120 milhões de dólares em 1993.

Em 1994, o norteamericano Tom Ford foi nomeado diretor criativo inaugurando uma nova era para a Gucci, cujas coleções e campanhas transpiravam sexo e glamour. Sob seu domínio, ela chega a valer 10 bilhões de dólares.

Em março de 1995 Maurizio é assassinado a mando de sua ex-mulher Patrizia Reggiani, depois de ter sido trocada por uma mulher mais jovem.

Patrizia passou 16 anos presa após ser condenada por arranjar o assassinato, em março de 1995, de seu ex-marido Maurizio Gucci, o último da dinastia da família Gucci a comandar a marca de luxo. 

A ex-socialite sempre negou seu envolvimento – sua melhor amiga teria armado tudo, ela disse.

Um repórter de um programa trash da TV Italiana teve acesso a Patrizia logo depois que ela deixou a prisão em 2o14 e perguntou: “Patrizia, por que você contratou um pistoleiro para matar o Maurizio Gucci? Por que você mesmo não atirou nele? “

“Minha visão não é tão boa e eu não queria errar.”

QUEM É PATRIZIA REGGIANI 

Patrizia Reggiani nasceu em uma pequena cidade fora de Milão, filha de uma garçonete e um homem muito mais velho que fez fortuna no transporte de caminhões.

Eles eram muito ricos, mas não faziam parte da alta sociedade de Milão. Quando jovem, ela gostava de coisas boas – seu pai a estragava com casacos de vison e carros velozes – e ela encontrou seu caminho para o circuito social de elite. 

Ela é minúscula, com menos de um metro e meio de altura, embora seu cabelo enorme, agora castanho-avermelhado, e saltos altos nude lhe dêem altura extra. 

Fala um inglês com forte sotaque que aprendeu durante seus dias de jet set, que Lady Gaga captou com extremo rigor para o filme Casa Gucci.

“Conheci o Maurizio numa festa e ele se apaixonou perdidamente por mim. Eu estava empolgante e diferente”

QUEM É MAURIZIO GUCCI

Os Guccis vieram de Florença, e por isso Maurizio também se sentia um estranho em Milão. “Não pensei muito nele no início. Ele era apenas o menino quieto cujos dentes se cruzaram na frente.” Reggiani tinha outros pretendentes, mas o jovem Gucci a perseguiu com todas as riquezas à sua disposição.

Maurizio, era neto de Guccio GUCCI. Em uma manobra na empresa, ele expulsou seus parentes do negócio para se tornar CEO em 1992, foi forçado a vender sua participação 18 meses antes de morrer. 

O CASAMENTO

Maurizio e Patrizia se casaram em 1972, quando ambos tinham cerca de 24 anos. A união causou uma rixa com o pai de Gucci, Rodolfo, um dos filhos de Guccio Gucci, que desaprovava a origem de Reggiani e, sem dúvida, sua forte personalidade. Maurizio era filho único, cuja mãe morrera quando ele tinha cinco anos, e seu pai sempre foi super protetor.

“Maurizio ficou à vontade comigo. Nós nos divertíamos, éramos uma equipe ”

Rodolfo se amoleceu depois que ela deu à luz a Alessandra, e percebeu que ela “amava muito o Maurizio”. O Gucci mais velho comprou várias propriedades para o casal, incluindo uma cobertura de luxo na Torre Olímpica de Nova York. Eles saíam com Jackie Onassis e a ninhada dos Kennedy sempre que estavam na cidade.

“Éramos um casal lindo e tínhamos uma vida linda, é claro. Ainda dói pensar nisso.” 

Os dois costumavam dar festas temáticas luxuosas no início dos anos 1980. Faziam viagens para ilhas particulares num iate de madeira de 64 metros, o Creole, que Maurizio comprou para marcar o nascimento de sua segunda filha, Allegra. Seu mundo encantado também incluía um chalé de esqui em Saint Moritz, uma casa de férias em Acapulco e uma fazenda em Connecticut.

A SEPARAÇÃO 

 

Segundo Patrizia, tudo começou a se desfazer após a morte de Rodolfo Gucci em 1983, quando Maurizio herdou a participação de 50% do pai na Gucci. 

“Maurizio enlouqueceu. Até então, eu era sua principal conselheira sobre todos os assuntos da Gucci. Mas ele queria ser o melhor e parou de me ouvir. ” 

A marca Gucci vinha perdendo prestígio com o excesso de licenciamento de seu famoso logotipo do duplo G e com a produção em massa de bolsas de lona. Maurizio tinha um plano para restaurá-la à glória, voltando ao artesanato requintado sobre o qual a empresa foi construída.

Ele lutou por anos com seu tio e primos, que eram donos da outra metade da empresa, até que ele armou um plano para comprar a parte deles com a ajuda da Investcorp. 

O casamento do casal implodiu ao longo do caminho. Aparentemente cansado da constante “intromissão” de Reggiani, uma noite Maurizio fez uma mala e saiu de casa. Enquanto isso, a empresa perdeu milhões sob seu controle. Reggiani estava certa, pelo menos, que Maurizio estava administrando mal os negócios e não criando receita suficiente para executar suas grandes ideias. Sua fortuna pessoal estava diminuindo e ele foi forçado a vender a Gucci.

Na separação, os advogados de Gucci propuseram um acordo de divórcio para Reggiani de 3 milhões euros mais 700 mil euros por ano. E ela rejeitou.

Maurizio começou a namorar a designer de interiores Paola Franchi com quem ficou por cinco anos, até sua morte. O casal dividia um apartamento luxuso no Corso Venezia e planejavam se casar. Alta e loira, Franchi era retratada pela imprensa italiana como uma glamourosa caçadora de ouro.

No dia seguinte ao assassinato, Franchi recebeu uma ordem de despejo de Reggiani para se mudar do grande apartamento que dividia com Gucci. 

O ASSASSINATO

O assassinato de Maurizio Gucci, de 46 anos no saguão de seu escritório, e o subsequente julgamento por assassinato pararam a Itália no final da década de 1990. Foi uma coisa sensacionalista do fim do séculoSe tratava de uma tragédia na elite de Milão e assassinatos desse tipo entre a elite glamorosa da cidade eram desconhecidos. 

Reggiani, apelidada de “Liz Taylor das marcas de luxo” nas décadas de 70 e 80, foi uma suspeita imediata. Ela havia ameaçado abertamente matar Gucci após a separação. Mas, sem evidências, o crime ficou sem solução por quase dois anos. Uma denúncia levou à sua prisão em 1997, junto com outras quatro pessoas, incluindo o assassino.

Eram 8h30 da manhã do dia 27 de março de 1995. Giuseppe Onorato era porteiro do prédio e a única pessoa que presenciou o que aconteceu enquanto varria as folhas das árvores na porta da Via Palestro 20, o elegante edifício onde Maurizio Gucci tinha seu escritório particular.

“O senhor Gucci chegou com algumas revistas e disse bom dia. Então eu vi uma mão. Era uma mão bonita e limpa, apontando uma arma. ”

A arma disparou três tiros nas costas de Gucci enquanto ele subia os degraus e um quarto na cabeça quando ele caiu no chão. “Achei que fosse uma piada. Então o atirador me viu. Ele ergueu a arma novamente e atirou mais duas vezes. E eu pensei. ‘É agora que eu morro’ ”.

Durante o julgamento, descobriu-se que Reggiani pressionou seus cúmplices contratados para cometer o assassinato, antes do casamento de Franchi e Gucci. A ex-melhor amiga de Reggiani, Pina Auriemma, que confessou ter arranjado o assassino, testemunhou que Reggiani não suportava a ideia de outra mulher tomando seu lugar como Sra. Maurizio Gucci – e com isso, o poder, status e dinheiro que ela “tinha ganho”.

Ela também temia que suas filhas pudessem perder parte ou toda sua herança se o casal tivesse filhos. 

“Patrizia estava nos perseguindo. Ela ainda tinha espiões no círculo de Maurizio e sabia tudo sobre nossos planos, seus negócios, tudo. Ela ligou várias vezes, abusando dele e ameaçando matá-lo. ”

Se Maurizio não atendia as ligações de Reggiani, ela lhe enviava ameaças gravadas em fitas cassete dizendo que ele era “um monstro” por negligenciar ela e suas filhas, e avisando que “o inferno para você ainda está por vir”.

Quando Franchi se mudou do apartamento Corso Venezia, Reggiani foi morar com suas filhas. Ela viveu lá com luxo pelos próximos dois anos, até que um de seus cúmplices se gabou do assassinato para a pessoa errada. O homem informou a polícia, que lançou uma operação policial para enganar Reggiani e seus quatro cúmplices pagos – sua amiga Pina Auriemma, uma amiga de Auriemma que armou o assassino, o próprio assassino e o motorista da fuga – para discutir o crime em telefones grampeados. Entre outras evidências que encontraram na casa de Reggiani estava seu diário, que tinha anotada uma palavra para o dia da morte de Gucci: “Paradeisos” – a palavra grega para paraíso.

Reggiani não conseguia suportar a ideia de outra mulher assumindo o poder, o status e o dinheiro que ela ‘havia ganhado’

Embora o público tenha adorado, a Gucci ficou menos encantada. Após décadas de brigas internas entre os herdeiros do fundador Guccio Gucci, a marca não estava mais sob controle familiar. 

Maurizio, neto de Guccio que expulsou seus parentes do negócio para se tornar CEO em 1992, foi forçado a vender sua participação 18 meses antes de morrer. A propriedade foi adquirida pelo banco de investimento Investcorp, em 1993.

O assassinato coincidiu com um revival emocionante da imagem da marca em meados da década de 1990 sob o novo chefe Domenico De Sole e o jovem designer Tom Ford.

E nesse momento novo para a marca, a última coisa que a Gucci queria era um escândalo sórdido. A marca tentou ignorar todo o drama e queria que todos os outros ignorassem também.

A ascensão contínua da marca nas últimas duas décadas eclipsou ainda mais as memórias do assassinato. A Gucci está atualmente em alta. As vendas cresceram absurdamente nos últimos anos sob o comando do diretor criativo Alessandro Michele e do CEO Marco Bizarri. 

A PRISÃO

Depois que Reggiani foi presa, a mídia a apelidou de Vedova Nera – a Viúva Negra – e divulgou todas as teorias estereotipadas sobre seus prováveis motivos. Ela tinha ciúmes da namorada de Maurizio, queria o dinheiro dele, estava amarga com a negligência dele, estava completamente louca. 

Segundo um jornalista italiano “Reggiani nasceu para ser um Gucci. Era toda a sua identidade, até como ex-mulher. Ela ficou furiosa com Maurizio por se traída ”. Mesmo após sua saída da prisão, Reggiani não conseguia se afastar. Ela disse ao jornal La Repubblica em 2014 que, agora que ela estava novamente disponível, esperava retornar a empresa. “Eles precisam de mim. Ainda me sinto um Gucci – na verdade, mais Gucci que todos eles.”

No tribunal, Reggiani admitiu que pagou a Auriemma cerca de £ 200.000, mas negou que tenha sido pelo assassinato, alegando que Auriemma havia planejado o assassinato e estava ameaçando incriminá-la se ela não pagasse. 

“Mas valeu a pena cada lira”

Todos os cinco envolvidos na trama de assassinato foram considerados culpados. Apesar da suposta indiferença da empresa Gucci ao escândalo, no dia do veredicto a mídia italiana noticiou que as lojas Gucci em todo o país penduravam algemas de prata em suas vitrines. 

ATUALMENTE

Patrizia hoje trabalha na Bozart, uma empresa de bijuterias milanesa,  como consultora de desig .

Condenada a 26 anos de apelação, Reggiani foi obrigada a encontrar um emprego como condição para sua liberdade condicional. Ela recusou sua primeira oferta de trabalho em 2011, segundo a imprensa italiana, porque a própria ideia de trabalhar a horrorizava. “Nunca trabalhei na minha vida e não pretendo começar agora”, disse ela ao advogado.

Um de seus primeiros atos de liberdade foi ir às compras na Via Monte Napoleone – a Bond Street de Milão – enfeitada com jóias vistosas e óculos de sol de estrela de cinema, com uma grande arara de estimação pousada em seu ombro. Os paparazzi mal podiam acreditar na sorte. Lady Gucci, como era conhecida, estava de volta.


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×