18.07.2016 / Moda / por

Marca de estilista da Osklen, Muggia provoca desejo com moda exclusiva e sem afetação

Imagem da campanha do Inverno 2016 da Muggia, com Lorena Maraschi fotografada por Daniel Mattar. Styling de Bebel Moraes ©Cortesia
Imagem da campanha do Inverno 2016 da Muggia, com Lorena Maraschi fotografada por Daniel Mattar. Styling de Bebel Moraes ©Cortesia

A Muggia já existe há mais de 10 anos, mas é um daqueles trunfos que os cariocas têm o prazer de manter sem alarde, escondido num ateliê numa casa de vila no bairro de Botafogo. Para saber quando a loja funcionará, só checando no instagram (@muggiaatelier) ou ligando para marcar um horário. A grife também não tem site e é vendida em mais duas multimarcas com seleção bem apurada: a carioca Frey Kalioubi e a paulistana Choix.

+ Frey Kalioubi vira celeiro da nova moda carioca
+ 5 perguntas sobre multimarcas de nicho para a Choix

“A marca foi criada em 2005 a partir da necessidade minha e da minha irmã gêmea, Ana Suassuna, de ter um espaço criativo livre e experimental. Trabalhando na Osklen senti que seria importante desenvolver em paralelo este trabalho,  e até hoje este exercício é importante e rico para ambas as grifes”, conta Juliana Suassuna, uma das donas da Muggia e braço direito de Oskar Metsavaht na parte de estilo. O diretor criativo da Osklen, aliás, dá a maior força. “Ele me apoiou e incentivou desde o início. Às vezes fala da Muggia quase como se fosse dele também.”

Inverno 2016 da Muggia ©Reprodução
Inverno 2016 da Muggia ©Reprodução

O estilo das coleções pode até trazer algum traço que remeta à Osklen, como o detalhe esportivo e o shape geométrico de algumas peças. Definitivamente, porém, o DNA é outro. Na Muggia as estampas ganham mais romance com tons e efeito aquarelado e padronagens clássicas como o xadrez vichy. Há muitos desenhos de animais, como pássaros, insetos e até galinhas e morcegos (os prints e a identidade visual são todos do artista visual Eduardo Berliner, marido de Ana), acrescentando um bem vindo humor à delicadeza das peças, que ganham  força com o design limpo e preciso.

As inspirações das duas vêm muito da pesquisa de construção das peças tradicionais do vestuário, da alfaiataria nas camisas aos uniformes de trabalhadores, de onde trazem o macacão, item recorrente nas coleções. Outra referência são as memórias que compartilham da infância: “Coelhos que tomam chá às cinco” e “porcas e parafusos” já viraram tema de invernos e verões da marca.

Camisa do Inverno 2016
Camisa do Inverno 2016

A Muggia também tem uma linha de joias, especialidade de Ana. Foi ela, aliás, quem começou a grife ao produzir acessórios para lojas como Clube Chocolate, New Order, Isabela Capeto e Maria Bonita Extra, até abrir seu primeiro e único endereço, em 2006. Hoje a grife continua a desenvolver peças sob encomenda – as pulseiras e relógios do Verão 2016 da Ellus 2nd Floor, por exemplo, são da Muggia -, junto com os modelos próprios.

O caráter exclusivo é menos um posicionamento de status da marca e mais uma opção de negócio e de conceito de lifestyle da Muggia: Juliana e Ana querem se manter pequenas, com controle sobre a criação e confecção, tendo a possibilidade de continuar com as estampas e produções 100% artesanais, com qualidade, sem pressa nem afetação. “Seguimos um ritmo calmo, não temos compromisso com o calendário oficial da moda e nossa realização vem justamente desta desconexão e liberdade.”

Muggia
Rua Real Grandeza, 182 – Casa 8, Botafogo, Rio de Janeiro
Tel.: (21) 3511-5471
E-mail: muggia@gmail.com
@muggiaatelier

 

 


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×