07.04.2020 / Moda / por

Novo marketplace de moda, (2)Collab reúne marcas independentes com pilares como criatividade, diversidade e sustentabilidade

Uma nova plataforma de moda estava sendo pensada e criada desde o ano passado sem nem imaginar que, em meados de março o Brasil, e o mundo iriam parar. O (2)Collab, marketplace do grupo Icomm Group (Shop2gether e OQVestir)  focado em marcas brasileiras e independentes, que acaba de entrar no ar e, sem planejar, pode se tornar uma luz no fim do túnel para muitas marcas que precisam criar novos canais de venda e alcançar novos consumidores.

Ele já tinha sido desenhado com o propósito de criar um ecossistema para marcas pequenas e médias alinhadas a valores e ideias que representam a moda hoje, como criatividade, práticas conscientes, diversidade e moda sem gênero.  Essas marcas não são as que encontramos em shoppings ou bairros comerciais; poucas têm loja própria e, a maior parte delas tem por trás equipes super enxutas e formadas por jovens. Muitas nasceram no ambiente digital e dominam essa linguagem, vendendo via e-commerce, redes sociais e canais de multimarcas.

Mas neste momento delicado para todos, o faturamento dessas empresas praticamente estagnou e vemos estilistas tendo seus pedidos devolvidos ou cancelados, tentando navegar por uma tempestade sem previsão de fim. Isso gera um impacto direto na cadeia de cada um (que inclui modelistas, costureiras, artesãos, sapateiros, stylists, fotógrafos), o que resultou em movimentos de união por parte de muitos criativos. Como exemplo, Neriage, Misci e Esc criaram uma iniciativa no Instagram chamado Fora para pensar possíveis soluções para este momento.

O que parece facilitador do (2)Collab é que, por ser um marketplace, as marcas têm o seu próprio espaço dentro da plataforma e falam direto com o consumidor, embalam e entregam sua encomenda, gerenciam seu próprio estoque, tudo sem intermediários, mas com apoio operacional do Icomm Group.

As 40 marcas selecionadas para essa primeira fase do lançamento passaram por uma curadoria e foram escolhidas por seus propósitos bem definidos. “Um dos pilares do projeto é a diversidade e resolvemos criar o espaço genderless, além do clássico feminino e masculino, para que cada estilista se sinta livre para definir suas próprias peças e cada consumidor se sinta livre para comprar na seção que mais o representa”, diz Mariana Mendes, head de novos negócios do grupo.

Entre as marcas que poderão ser encontradas na loja online estão Led, Irrita, Lucas Leão, estilistas que praticam as sustentabilidade como Juliana Gevaerd, Made With Soul e a Jouer Couture; os sapatos artesanais de Dani Cury e A-Aurora; as bolsas bem humoradas de Alexandre Pavão, o design sem gênero e minimalista de J.Boggo e as marcas de resortwear Laura Cangussu e Womaswim, entre outras.


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×