O Bastardo: “Cresci ouvindo que gente como eu não podia fazer arte”

Jovem artista da baixada fluminense ganhou bolsa para estudar em Paris e está com exposição solo em São Paulo

Natural de Mesquita, município da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, o artista O Bastardo (23 anos) começou sua incursão pela arte por meio do graffiti aos 15 anos, até que, aos 18 anos, ganhou uma bolsa de estudos para frequentar o curso de videoarte na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, onde sua mãe trabalha e foi e ainda é um celeiro de nomes de destaque da arte brasileira. Ele acabou sendo notado pela artista e professora Suzana Queiroga que acabou virando sua professora de pintura e foi uma das responsáveis por abrir a cabeça do artista para as artes.

A pandemia colocou a École des Beaux-Arts de Paris em seu caminho. Ele estava na França em lockdown e resolveu aplicar para uma bolsa e residência de artes plásticas na tradicional escola de artes parisiense. Acabou sendo o único artista sulamericano aprovado em sua turma.

“Cresci ouvindo que gente como eu não podia fazer arte, que isso era coisa pra gente rica, da Zona Sul”  afirma O Bastardo em nossa conversa pelo Zoom.

As pinturas de Bastardo retratam uma série de figuras negras que alcançaram um lugar de destaque em suas áreas de atuação, como ícones do grande escalão da indústria da música como Mano Brown, Kayne West, Playboi Carti e Travis Scotti, como também figuras anônimas, que são colocadas lado a lado na exposição Pretos de Griffe, na Casa Triângulo. 

Essas pinturas inéditas buscam normalizar o sucesso de pessoas pretas por meio de suas conquistas para que cada vez mais os jovens negros acreditem que é possível ser aquilo que desejam. A própria trajetória do O Bastardo muitas vezes se confunde com sua própria pesquisa artística.

O ensaio exclusivo que acompanha essa entrevista tem fotos de Cristiano Madureira e  styling da dupla Flávia Pommianosky e Davi Ramos.

O que te inspira a pintar?

Acho que tem diferentes ambientes que me movem e me inspiram. A música é algo muito presente na minha vida, tanto pessoal como de artista, dos ídolos que eu tenho e que retratei como Mano Brown, Travis Scott, Playboy Carti. Esses caras do rap, do trap têm um papel dentro da comunidade preta muito importante que às vezes pode ser subestimado por um outro grupo que não consegue codificar e se conectar com eles. Eu ainda vejo muito grafitti online, principalmente lettering que é o que eu mais me amarro ainda. Tem uma comunidade enorme de lettering no Brasil. Aqui a gente tem o pixo, que lá fora é uma extensão da outra, e aqui são várias camadas, do grapixo em São Paulo, o Bomb Vandal, o Wild Style…aqui é mais fragmentado mas corre junto. Tem muita coisa que eu carrego do graffiti, toda urgência de produzir, eu não faço desenho por exemplo. Geralmente a galera que pinta tem essa rotina de desenhar e eu não gosto. Minha parada de colorir, de camadas, não tenho estudo de cor, de técnica, de nada. Essa urgência de pintura na raça, como se eu tivesse num muro na rua. ‘A melhor pincelada é a primeira’ essa frase do De Kooning me marcou muito. 

Você me falou dos OSGEMEOS e acabou de citar uma frase do De Kooning. Você gostaria de ser comparado a algum artista?

Pra mim nacional é o Arjan Martins. Lá de fora o Henry Taylor e o Karry James Marshall. Se eu fosse fazer uma exposição queria estar ao lado desses caras, nessa curadoria. Ficaria hiper honrado, uma realização pessoal de estar presente num espaço e trocar com eles. 

O Bastardo veste look completo Gucci
O Bastardo em seu ateliê em São Paulo veste look completo Gucci

A moda é um elemento bastante presente em suas pinturas. Que papel ela ocupa dentro do seu imaginário, nas suas referências?

Ela se conecta por vetores diferentes. Eu me apego muito a questão da transversalidade que algumas pessoas representam, como Mano Brown, Playboy Carti, eles saem de um espaço, de uma periferia, de um gueto, de uma comunidade com uma série de problemáticas e vão pra um outro lugar dentro da sociedade, atravessando diversas camadas e espaços e voltam pra essa comunidade como esse símbolo de possibilidades e de transversalidade e de libertação de certa forma. Me apeguei muito a isso na minha infância e adolescência. Me lembro muito de me apegar a caras como Kanye West e outros artistas pretos que eram esse símbolo, e foi importante pra mim decodificar isso e realizar que minha realidade não era quem eu era, minha realidade era o momento em que tava vivendo. Até ir pra França eu nunca tinha saído do meu Estado. É muito forte, é sistêmico, é bizarro. Então me apoiar nesses caras, ouvi-los, vê-los, serve de apoio moral e inspiração para pintar e pensar em coisas mais arrojadas, fora de um sistema dizendo o que você tem que fazer. em paralelo tem toda essa relação com a moda. O Kanye, a Beyoncé sempre tiveram essa conexão com a moda, e eu lembro que eu comecei a usar o Tumblr em 2010 e tive muito contato com moda, eu comprava roupa no camelô e tava vendo umas paradas lá que eu nem sabia que existiam. Acabei fazendo muito contato pelas redes pelas coisas que eu usava e fui pegando cada vez mais gosto por moda. Eu comecei a ir em brechós, que era super difícil encontrar na baixada. Em 2016 eu usava uma saia com estampa de tigre até os pés pra ir  numa festa no meu bairro, por exemplo.

Como era ser assim em Mesquita?

Cara a gente lidava com isso em bando. Eu não tinha muitos amigos heterossexuais, e a gente nem pensava muito nesse lance da violência, da lgbtfobia. Com o tempo a gente passa a ignorar a violência para poder sobreviver, assim como um cara da periferia no Parque Lage, no Jardim Botânico. Isso acaba se tornando uma forma de resiliência. Na Zona Sul eu sofro várias situações de racismo pesadíssimas e minha cabeça vira uma chave para me proteger. Depois de dois anos no Parque Lage comecei a prestar mais atenção no que está sendo dito, no lugar que tão tentando me colocar.

E você traduz isso de alguma forma na sua produção artística?

Claro, acho que é inevitável. Tem formas diferentes de você militar, lutar e reivindicar coisas. Desde que comecei essa fase figurativa eu comecei a pensar em como retratar pessoas pretas, como eu ia falar sobre o lugar de onde eu venho, de como falar de negritude e eu não me sentia preparado para fazer isso. Eu via outros artistas que estavam reféns do mercado, produzindo caricaturas do que é uma vivência imaginária da periferia e meu medo era cair nesse limbo. Eu ficava muito ofendido de ver esses trabalhos, porque eu sou periférico, ao mesmo tempo que eu ainda não sabia como eu ia retratar tudo isso, tentando de certa forma fazer oposição a essa coisa meio obscura e trazer uma outra perspectiva para reivindicar coisas. Tem um problema sério de resumir a periferia à violência policial, a pobreza, como se preto periférico fosse só pobre, miserável e bandido. Os artistas que estão fazendo denúncia do que se passa nas periferias não são palatáveis porque isso é visceral, é muito forte. Então fica o espaço pra galera que tá fazendo caricatura disso e isso me incomoda. Daí eu comecei a produzir a série “Preto de Griffe”, que não se trata sobre ser mainstream, de 30 obras tem 24 que são pessoas anônimas, e eu quebro essa hierarquia entre eles. Tem esse cara que representa essa relação de mundos possíveis e realidades diferentes dentro de sua comunidade local e tem esse cara que tá no mainstream, que faz isso em massa, mas pra mim não tem hierarquia, os dois exercem o mesmo papel que é comunicar que você pode tentar ser o que você quiser, imaginar, ir atrás, você não é onde você tá pisando. Ponto.

Você não está condenado a permanecer onde está.

Não! O problema no Brasil é que muitas vezes você cresce e morre dentro de um sistema dizendo pra você que é aquilo, que você tem que ficar ali, que você vai morrer ali. Isso é muito forte. Então esses ícones todos representam uma saída de certa forma, e uma série de outras coisas, que podem ser subestimadas por aqueles que nasceram e cresceram com todos os privilégios. Mas pra quem não… Se eu não tivesse tido contato com esses caras talvez hoje eu não estive aqui, não tivesse exposição, não tivesse nada. Algumas coisas que podem ser detalhes pra um pode ser sinônimo de ponte pra outros. Me senti na responsabilidade de puxar esse bonde aqui. Lá fora isso já acontece. Africanos vão pra Europa e já representam a figura preta dentro de situações sem ter que fazer caricaturas de figuras cheias de estereótipos e ainda assim fazem suas reivindicações. 

A primeira vez que me vi dentro de um museu foi quando vi um trabalho do Arjan. Que não era um resumo escroto, perverso do que é periferia. Eu quero justamente cortar esse ciclo vicioso que tá aí mais pra alimentar fetiche de elite, do que qualquer outra coisa.

Eu quero que um moleque preto entre num museu e veja meu trabalho, essas figuras, e que eu quebre essas distâncias que são colocadas entre ele e lugares em que ele poderia se imaginar na vida, que poderia ser ele ali. 

A exposição Pretos de Griffe abriu dia 20.11 e segue até 29 de janeiro na Casa Triângulo (rua Estados Unidos, 1324 – Jardins, São Paulo)


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×