02.09.2020 / Moda / por

O presente e o futuro da moda por Rei Kawakubo, Demna Gvasalia, Raf Simons, Kerby-Jean Raimond e Rick Owens

da esquerda para direita Rick Owens, Kerby-Jean Raymond, Marc Jacobs, Demna Gvasalia e Rei Kawakubo
da esquerda para direita Rick Owens, Kerby-Jean Raymond, Marc Jacobs, Demna Gvasalia e Rei Kawakubo

A quarentena tem sido um período bastante reflexivo (e produtivo) para a jornalista americana Cathy Horyn. Diante de um cenário de mundo completamente singular ficamos completamente à deriva, tudo foi cancelado, fábricas foram fechadas, marcas ficaram sem clientes, pessoas perderam seus empregos. Horyn aproveitou esses últimos meses para conversar com os criadores mais influentes e respeitados de nossa época em busca de respostas, entender a visão de cada um sobre o momento atual e sobre o futuro da moda, seu passado recente e o que funciona e o que não funciona. Ela reuniu essas conversas sinceras na serie The Lost Season, no site The Cut e nós destacamos aqui as falas mais importantes de cada um deles que tem nos feito refletir e podem apontar caminhos.

REI KAWAKUBO

Rei tem hoje 77 e vive em Tóquio. Poucas pessoas tiveram mais impacto sobre como as pessoas se vestem e compram moda do que ela, a fundadora da Comme des Garçons. Das experiências com tecido, formas e desconstrução de peças à criação do conceito de lojas pop-ups (que ela chamou de lojas de “guerrilha”). Tudo devemos à Rei Kawakubo, que é avessa à entrevistas, portanto temos aqui algo raro. Aproveitemos.

Sobre as consequências da pandemia podem afetar a aparência da moda 

“A indústria da moda descarrilou seu curso regular porque se rendeu à adoração do dinheiro e foi afetada pela mídia de massa, que também é controlada pelo mammonismo (culto ao dinheiro). A situação atual é resultado do esquecimento do valor de dedicar tempo a fazer coisas boas e da importância de fazer coisas novas. Devemos voltar ao nosso básico. ”

“Nunca imaginei ou esperei que essa situação global que estamos enfrentando agora aconteceria. Parece que o que construí na minha vida até agora desapareceu de uma vez, que tenho que começar tudo de novo do zero, mas não tenho muito tempo para recuperar a perda. Não há outra maneira, entretanto, a não ser começar a trabalhar novamente para seguir em frente. Tendo passado por uma experiência tão terrível como essa, as pessoas muito provavelmente se conformarão em viver suas vidas dentro de seus limites, o que, em certo sentido, nos impediria de seguir em frente. E é com isso que estou preocupada. Para criar moda e arte, precisamos de uma mente para fazer coisas ultrajantes, para ser diferente dos outros e para se deixar levar. ”

Sobre suas criações mais recentes

“Não são um objeto de arte mas também não são uma peça de roupa”

“Quero fazer roupas nas quais devemos pensar, pesquisar, ter simpatia e lutar para vestir.”

Sobre diversidade 

“Vivemos em uma época em que a diversidade é mais valorizada do que nunca. Devemos aprovar e encontrar valores em diferentes estilos e gostos: roupas fáceis que podem ser usadas sem pensar muito, roupas baratas, vestidos que elevam o espírito, uniformes. Eu gostaria que a mídia lutasse muito contra a adoração do dinheiro e apoiasse ideias e valores diversos.”

KERBY-JEAN RAYMOND

Kerby tem 33 anos e é o fundador da Pyer Moss, marca baseada em Nova York. Ativista, ele sempre fez referências à cultura negra em suas coleções, seja através de estampas e mensagens numa camiseta ou na presença de um coral gospel em seu mais recente desfile. 

Sobre ser um outsider da indústria tradicional

“A indústria da moda nunca funcionou para mim. O modelo de atacado, o modelo da imprensa, nada disso”

“E não sei se é por causa de quem eu sou, do tipo de roupa que fiz, se minha empresa já entendeu merchandising ou não, se nossa base de fãs estava disposta a aderir às mesmas regras que funcionaram para marcas lendárias como Gucci e Saint Laurent ”

Sobre modelos de negócio

“Um dos maiores erros que cometemos no início foi que pensamos: Ok, vamos competir com Margiela, com Dries. Não podemos fazer isso! Não éramos os únicos estúpidos. Existem tantas marcas que também estão apenas tentando pegar carona no legado existente e não acompanham o tempo.”

“Estou vendo essas marcas desistirem, e acho que é porque elas não sabiam quem era seu cliente. E eles estão tentando falar com todo mundo. Eles estão tentando fazer bolsas. Quando é Natal e você quer comprar uma bolsa para alguém, vá à Chanel ou a Louis Vuitton. Isso é o que essas empresas fazem bem. Se as pessoas já ouviram falar de Pyer Moss, dirão:‘ Oh, eles são pró-negros, estão envolvidos na comunidade ’. Mas é uma decisão deliberada. Com muitas dessas marcas, é, ‘Oh, eles fazem florais.’ ”

Sobre quem os designer e marcas devem ouvir

“De quem diabos eles estão recebendo conselhos? E porque? Porque a pessoa que dá o conselho está associada a uma publicação? Parece muito idiota para mim. Essas pessoas já dirigiram seus próprios negócios?”

Sobre a criação ser o motor da moda ele concorda e discorda

“Haverá museus e colecionadores. Você terá designers de alta costura que ainda terão clientes e que farão aquelas expressões significativas que pertencem ao design, mas, honestamente, como alguém que foi treinado em drapeados e modelagem e toda essa merda, eu acho que isso é uma forma de arte perdida agora. Especialmente à medida que estamos caminhando para que tudo seja online – essas minúcias se foram. Acho que o talento em design não será o fator principal nesse processo.”

“Ainda haverá butiques para isso, mas elas se tornarão como lojas de discos. Para pessoas que realmente amam e querem se preocupar com o vinil.”

Sobre a decisão de fazer um evento com apresentação e vendas ao mesmo tempo

“Em vez de colocar as coisas à venda, vamos falar sobre o trabalho que isso envolve, vamos falar sobre o desfile. Deixar o fã ter uma aula de história ao mesmo tempo em que compra o que outras pessoas podem considerar roupas velhas. Portanto, é tudo uma questão de contexto.”

Sobre racismo na moda

“Queremos continuar comprando e pedindo ajuda de um sistema que não nos representa? Como você pode ver, a maioria dos diretores corporativos são todos brancos, a maioria dos diretores de criação são brancos e, quando negros são solicitados a ajudar a administrar, na maioria das vezes somos tratados da mesma forma que a África é tratada. Temos muitos recursos criativos, e eles pegam esses recursos e os vendem no exterior.”

Sobre o financiamento à empresas de criadores negros

“Significa nivelar o campo de jogo. Não ter que comprar esses sistemas existentes, mas ser capaz de ter os recursos para criar nossos próprios sistemas. É esse o meu objetivo. Não acho que pedir restos às corporações seja a coisa certa. Em vez de sucatas, peça plataformas.”

 

Sobre a resistência à liderança negra

“Tudo me foi oferecido, menos a direção de criação. É sempre, tipo, ‘Bem, você será o nº 2.’ Mas não há a mesma hesitação com Matthew Williams ou Demna. O que eles continuam a oferecer a criativos negros e empresários negros é sempre como um anexo ou um sub-emprego. Não é o trabalho. É como um trabalho experimental que não leva a lugar nenhum.”

DEMNA GVASALIA

Demna Gvasalia é o diretor criativo da Balenciaga desde 2015, a primeira pessoa da ex-União Soviética a alcançar tal destaque na moda. Ele fala sete idiomas, é formado em economia e design de moda e tem 39 anos. Desde que Gvasalia ingressou na empresa francesa de 83 anos, as vendas anuais mais do que dobraram, chegando a mais de R$ 5 bilhões.

Sobre o excesso

“Uma das coisas mais importantes para nós [da equipe] foi a ideia de reduzir, porque também é algo que enfrentamos agora por causa da pandemia. Precisamos de tantos produtos? ”

Sobre os desfiles

“Nem sempre deve ser uma coisa repetitiva, um desfile sempre durante a Fashion Week. Você tem 200 pessoas convidadas para o show e 80.000 assistindo online. E todo esse esforço e despesas para fazer este enorme cenário para apenas 20 minutos. E esse foi o desfile mais longo que eu já fiz.”

“Isso é muito 2010. Não vai bem com toda a ideia sobre o futuro. Acho que também podemos criar mais eventos experienciais, algo que ocorre durante um período mais longo, então o investimento na cenografia realmente faz sentido. E o evento não precisa acontecer apenas em Paris.”

Sobre a importancia da criação

“Não é que as pessoas não queiram comprar, mas elas estão pensando sobre isso e investigando mais antes de comprar. É por isso que a inovação em criatividade é mais importante do que nunca. Mas, claro, o que está no meio do caminho são os negócios. E os negócios são baseados apenas em dinheiro. É muito difícil para os criativos enfrentarem isso e se manter em pé. Eu diria que é uma batalha todos os dias”

“Se eu desse a possibilidade ao comercial da Balenciaga de fazer o que ele quisesse, não haveria Demna na visão estética. Porque eles pensariam: nós sabemos o que vendeu bem na China, sabemos o que vendeu bem na América na estação passada e na anterior, e só precisamos fazer o mesmo, mas em uma cor diferente. É assim que eles acham que funciona, mas o problema é que o cliente é muito mais esperto do que isso. E eles estão ficando mais espertos, e acho que isso não vai parar ”.

Sobre racismo

“O racismo é um problema em todos os lugares. Tem que mudar. Não acho que uma marca de luxo em cinco ou dez anos possa existir sem esse suporte de valor. Isso seria realmente suicídio.”

Sobre colocar mais sua identidade na Balenciaga

“Eu discuto isso com meu terapeuta todas as semanas. Eu me livrei dos medos. Criativamente, realmente me ajudou – parei de ter medo do que as pessoas vão pensar, do que as pessoas vão dizer. Me tornei mais fiel a mim mesmo. ”

MARC JACOBS

Aos 57 anos, Marc Jacobs atravessa um dos momentos mais desafiadores de sua vida profissional com fechamento de praticamente todas as suas lojas, vendas em queda e questionamento sobre sua revelância no cenário atual onde o marketing tem se sobreposto à criação.

Sobre o distanciamento social

“O distanciamento social foi algo que fizemos com esse vício em telefones, iPads e computadores. E as pessoas, mesmo quando recebem o presente de uma experiência ao vivo, não aproveitam isso. Eles não estão completamente lá. Alguns anos atrás, em um desfile, eu insisti para que todos guardassem seus malditos telefones e apenas olhassem para as roupas.”

Sobre a liberdade de lançar coleções sem regras

“Por que não mostrar 12 vestidos de festa em novembro? O que quer que façamos, terá de ser comunicado de forma segura e em algum tipo de formato não presencial. E quem disse que não pode ser 12 vestidos? Ou talvez sejam três vestidos, dois casacos e um terno. E dizemos: ‘Isso é o que estávamos pensando neste mês, e se você pedir agora e eles estarão disponíveis para você – feito sob encomenda – em, digamos, dois meses’ ”.

Sobre o futuro dos desfiles

“Por que não podemos reestruturar o desfile? Vamos chamá-lo do jeito que é – é para muito poucas pessoas, é feito de um tecido muito caro e é muito caro de fazer. Deixe que os preços e as quantidades reflitam sua raridade.”

Sobre racismo e os protestos

“Não sou um bom professor para isso, mas sinto que tive muitas percepções sentadas naquela sala por quatro meses. O que percebo quando falo com pessoas na Europa é que elas não vêem ou sintam, como é aqui (nos Estados Unidos). Foi muito estranho. E eu não quero ser um nova-iorquino judeu gay branco privilegiado que diz, tipo, ‘Os italianos são racistas e os franceses são racistas’. Mas é tão claro para mim que os efeitos do racismo sistêmico e este sistema que nós ‘operamos na moda estão sendo sentidos muito mais nos Estados Unidos do que na Europa.”

Sobre liberdade criativa x apropriação cultural

“Aprendi muito com isso. Eu tenho liberdade criativa, mas essa liberdade criativa está operando com responsabilidade no mundo em que vivemos?”

Sobre a Alta Costura e os desfiles digitais de julho

“Porque o sistema (antigo) disse que eles tinham que fazer algo naquele momento”,

“E eu tenho mais perguntas sobre isso – o que é, para quem é? Se não for pelo tapete vermelho, quero dizer, eu entendo que as maisons têm clientes de Alta Costura que provavelmente usam as roupas que nunca vemos no tapete vermelho, mas então por que você simplesmente não envia pra eles as imagens do que você propõe para a temporada? Você é um costureiro para um cliente privilegiado. Mas assim que chega ao Instagram, eu fico tipo, para quem é isso? Onde na era do Instagram isso reside? Porque não é emocionante ver no Instagram. Se você quer estimular a raiva, se esse é o tipo de resposta que você deseja, você conseguiu. Mas eu não acho que era isso que eles pretendiam.”

Sobre o que a moda deve ser

“Sempre há aquela pergunta – a moda é um espelho ou é uma fuga? Eu acho que são os dois. ”

Sobre otimismo

“Eu não quero ver as pessoas se conformando. Eu quero ver as pessoas abrindo suas asas. E é isso que tento dizer com meus posts (no Instagram). Estou abrindo minhas asas. Estou pintando meus olhos, estou calçando os saltos e dizendo: ‘Quer saber? Este é o mundo da maneira que eu vejo, e eu vou viver neste mundo, e vou sair com uma máscara.”

RICK OWENS

Hoje, aos 57, Rick é um dos últimos grandes independentes ainda de pé. Segundo Cathy, ele também é o o estilista mais querido, engraçado e acessível.

Sobre a quarentena e ser independente

“Era único para nós deitarmos sob uma árvore e ler poesia. É emocionante ser capaz de abordar as coisas de um novo ângulo – que provavelmente parece idiotice – e ser capaz de redefinir um pouco. Embora eu não tenha a metade da pressão que os outros designers que trabalham para grandes empresas têm, com muitas vozes para responder. Mas ser independente me dá todo um outro conjunto de pressões ”.

Sobre os próximos passos

“Estava pensando no próximo passo. O que acontece depois de uma crise como essa? No passado – há o exemplo fácil da Dior após a Segunda Guerra Mundial e como, depois de tantas privações e restrições de tecido, a resposta foi esse grande gesto de usar tantos metros de tecido. Isso foi realmente emocionante. E eu não acho que foi emocionante só porque você foi capaz de ser visivelmente suntuoso. Havia mais nisso tudo. Havia um senso de desafio e inteligência naquele gesto. E eu estou pensando, isso absolutamente não vai funcionar para este momento aqui. ”

Sobre mudanças e futuro

“acho que vai ser preciso alguém muito jovem para saber como expressar isso de uma nova maneira. Todos os designers de que você está falando, surgiram a partir da geração anterior. Neste ponto, somos a geração que alguém precisa rejeitar. Nós nos estabelecemos. E alguém precisa nos rejeitar violentamente. E eles vão. Estou esperando. Eles serão capazes de articular isso de uma nova maneira. Não temos aquele senso particular de urgência que alguém com 17 anos tem”. 

Sobre responsabilidade social e ambiental

“A palavra responsabilidade na moda – não tínhamos isso há dez, 15 anos. E agora temos. Isso é uma coisa ótima. Claro, pode ser um truque de marketing para muitas pessoas. As pessoas aderiram ao movimento da sustentabilidade. Mas no que diz respeito aos truques, é um truque muito bom. Se apenas 3% disso for autêntico, isso já é uma vitória.”

Sobre status

“A moda sempre será 80% status. Haverá diferentes maneiras de expressar status – status intelectual, status financeiro. Margiela foi o exemplo perfeito de um status anti-status. Você dizia, ‘Estou acima do status’, quando vestia Margiela, o que é apenas outra forma de status”. 

Sobre os desfiles

“Eu acredito em desfiles, com certeza. Eles vão voltar. As pessoas precisam se reunir e estar ombro a ombro assistindo a algo transcendente. Isso vai acontecer para sempre.”

Sobre as questões sociais que vivemos

“Você sabe, por anos, as pessoas na moda reclamaram que tudo é muito complacente, e uma explicação era,‘ Bem, não há nada contra o que reagir ’- nenhum grande movimento social, nenhum atentado em massa. Bem, nós temos isso agora. ”

RAF SIMONS

O belga Raf Simons, 52 anos é considerado um dos designers mais influentes do mundo. Ficou conhecido na moda como a pessoa que apresentou o terno preto skinny a uma geração de homens. Agora Simons uniu forças com Miuccia Prada. A primeira coleção co-criada deles será mostrada em Milão neste mês em formato ainda não revelado mas vem em bom momento.

Sobre estar no automático

“Na moda trabalhamos com equipes de design e outras equipes comerciais, como marketing. Você está envolvido nisso, é apenas contínuo, e ainda assim você sabe que o jeito que as coisas estão indo não é exatamente do jeito que você gosta. Mas você faz isso. Não sei o que é, mas algo simplesmente o suga para esse tipo sistemático de comportamento. É quase chato falar sobre isso. Quando mostrar. Como mostrar. E como construir isso. Tudo o que fazemos agora está seguindo uma linha do tempo que é ridícula e, muitas vezes, não é sobre o que você quer dizer. Eu ficaria bem em não mostrar algo por dois anos, talvez. Sem problemas. ”

Sobre o estado atual da moda

“No momento, a moda está muito atacada. Em parte concordo e em parte discordo. A moda não está presente no mundo para resolver todos os problemas.”

“Existem todas essas coisas que as pessoas pensam que precisam, mas será que elas realmente precisam delas? Não tenho certeza se sou a melhor pessoa para falar sobre isso, mas, honestamente, não uso uma peça da moda há meses.”

“O que eu também sinto é que todos nós fomos sacudidos para fora de nossos sistemas, e isso é muito bem-vindo. São tantos os problemas, mas ao mesmo tempo também pode fazer você pensar que tudo é possível. ”

Sobre a importância dos criadores, ele tem dúvidas

“Tenho pensado nisso cada vez mais. Há uma prova muito clara de que (a moda) pode existir e operar sem fortes mentes criativas – os designers, de onde tudo começa. Pode existir perfeitamente. E as pessoas estão comendo. O público comprador está apenas comendo. Talvez eu não devesse dizer isso. Mas talvez seja também o momento em que você não deve se importar e dizer as coisas.”

Sobre as marcas recorrerem aos criativos quando as vendas caem

“Concordo 100%, mas apenas se dissermos que a alta moda é um nicho. Ela nunca serviu às massas, foi democratizada. A alta moda nunca foi o que se tornou – cultura popular. E na minha opinião não pode ser para todos. Não é possível. Isso leva ao que está acontecendo. E não tem nada a ver com o coronavírus. Isso leva à possibilidade de que ela possa existir sem criativos. Já está acontecendo.”

“Certos designers e escritores abordam as coisas de um ponto de vista mais intelectual, cultural e emocional. Mas as marcas que nos cercam, não. É puramente do ponto de vista econômico. E marketing. É uma forma de pensar muito mais matemática. Sempre houve os dois elementos no negócio da moda, mas eles não estão os mais equilibrados da maneira certa. Tornou-se um novo normal que é assim que as coisas são. Mas é isso?”

Sobre o futuro x sistema

“No final do dia, acho que o mundo vai se dividir em mundos muito diferentes. Acho que são os ‘kids’ que precisam se revoltar e construir um novo sistema. O problema é que a maioria dos jovens designers não tem sucesso porque eles também entraram no sistema.”

Sobre o futuro da moda

“O que é que nosso público vai precisar? Acho que deve haver um monte de gente por aí, quando começam a pensar em moda, que não quer ser lembrada do tempo horrível que passou em casa nos últimos cinco meses. Mas…é tão pessoal. Eu tenho usado uma calça de corrida e um moletom em casa, mas isso não significa que eu acho que a moda agora deve ser fácil e reconfortante.”

Sobre sua verdade

“O que penso muito – está constantemente na minha mente – é fazer coisas que as pessoas guardarão por muito tempo. Isso é a verdade para minha própria marca. Não é porque você traz uma boa história ou narrativa que uma coleção vai durar muito. ”


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×