FFW
newsletter
RECEBA NOSSO CONTEÚDO DIRETO NO SEU EMAIL

    Não, obrigado
    Aceitando você concorda com os termos de uso e nossa política de privacidade

    Exploração ou libertação?

    Os desfiles da Saint Laurent e Chloé  evidenciam a diferença entre o design feminino criado por homens e mulheres.

     

    à esq. looks do imverno 2024/2025 da chloé e à dir., da saint laurent.

    Exploração ou libertação?

    Os desfiles da Saint Laurent e Chloé  evidenciam a diferença entre o design feminino criado por homens e mulheres.

     

    POR Camila Yahn

    Recentemente os desfiles da Saint Laurent e Chloé polarizaram o público da moda por evidenciarem a diferença entre o design feminino criado por homens e mulheres.

    O ponto central da discussão é como o corpo feminino é revelado através de transparências, comprimentos e recortes nas roupas.

    De um lado, a Saint Laurent recebeu críticas duras por apresentar uma coleção que erotiza a mulher com uma série de looks transparentes e ultra colados, exibindo o corpo (em especial os seios) de uma forma glamourosa à la anos 1920, porém irrealista.

    “O que quer que fosse, era colante e transparente. Dos 48 looks balançando em saltos agulha no desfile de Saint Laurent, apenas 12 não tinham seios em destaque (e desses 12, três eram minivestidos com cintas-ligas)”, escreveu Vanessa Friedman no New York Times.

    Do outro, temos a Chloé e sua nova diretora criativa, a alemã Chemena Kamali, que estreou nesta temporada com uma coleção que acordou a maison francesa, adormecida desde que Phoebe Philo saiu, em 2006, trazendo de volta o espírito original da mulher Chloé – aguarde um boho core forte no horizonte.

    Também há transparências no desfile da Chloé que revelam o peito por baixo de blusas e vestidos delicados, mas aqui parece ter outra conotação. A roupa está a serviço da mulher e não o contrário. É uma escolha colocar uma camisa ou um vestido solto sem sutiã, que parece partir de um pensamento de liberdade e expressão que ganhou forca nos anos 1970 com o movimento hippie.

    A visão de Vaccarello pode ter um efeito estético na passarela, mas é muito distante da realidade e ainda mais afastada da vivência real enquanto mulher. Me parece uma coleção alienada e que não considera a mulher em nenhum momento. É a moda pela moda, o glamour a qualquer custo, onde a mulher é retratada como uma musa e não como uma pessoa. Mas estamos em 2024 e a evocação da musa hoje também ganhou outros contornos.

    Esses momentos são oportunidades de analisar criticamente a forma como o homem influencia o design das peças destinadas às mulheres, questionando se nossas verdadeiras necessidades e desejos estão sendo considerados.

    A imposição de padrões de beleza inatingíveis é uma característica marcante da imagem feminina na moda, passando pela representação limitada de tipos de corpo que contribui para uma visão distorcida da autoimagem. E a influência masculina colabora para a perpetuação desses padrões que excluem as mulheres que não se encaixam nos estereótipos preestabelecidos.

    A moda é uma ferramenta poderosa na construção da identidade. A influência masculina nesse processo levanta questões sobre quem detém o poder de narrar e definir as experiências femininas. O terreno dos sonhos e desejos é uma ferramenta importante na criação de moda, mas é preciso caminhar junto com os tempos, reconhecendo as verdadeiras necessidades do público para o qual você está criando. Na moda, sintonia é uma palavra chave.

    Como bem disse Friedman, “transgressão exige mais nuances do que um seio quase nu”.

    No desfile da Saint Laurent, a nudez parece uma exposição forçada enquanto Chloé, uma escolha. Há sim espaço para a musa do ponto de vista masculino, mas se depender do que vimos na SL, hoje ele cabe muito mais nas paredes de um museu do que numa passarela.

    Não deixe de ver
    Pabllo Vittar em collab com a Pornograffiti, os novos modelos da Rolex, a bebida especial da Melissa e muito mais
    Sabrina Sato como nova embaixadora da Hope, as denúncias envolvendo a Zara e a H&M e o desmatamento no Brasil, a nova coleção da Dod Alfaiataria e muito mais
    Roberto Cavalli morre aos 83 anos
    Skinny x wide legs: uma preferência geracional?
    COLLAB DO ANO? NIKE E BODE LANÇAM SUA AGUARDADA COLEÇÃO
    Confira o calendário de desfiles da SPFW edição 57
    Anitta, Cher e Demi Moore na abertura da exposição da Dolce & Gabbana, em Milão
    Como Beyoncé ajudou a subir as ações da Levi’s
    Gisele Bündchen no Rio para o lançamento de seu segundo livro, a nova diretora criativa da Bulgari, o brasileiro vencedor de prêmio da Chanel e muito mais
    Contemporâneo Showroom comemora 20 anos com edição na Bienal