Casa Gucci: o que Tom Ford achou do filme

Estilista responsável pelo renascimento da marca conta o que é mito e verdade e sua opinião sobre o longa

tom-ford-casa-gucci-ffw-2021

Tom Ford é o estilista e diretor norteamericano que ficou conhecido por ser responsável pela reviravolta da história decadente da Gucci nos ano 90, tirando a marca de uma crise e aumentando o faturamento em milhares de dólares. Ele ficou na marca entre 1990 e 2004.

Tom viveu de perto a fatídica história do assassinato de Maurizio Gucci, o último membro da família a comandar a marca até ser obrigado a vender a sua parte na empresa antes de ser assassinado a mando de sua ex-mulher Patrizia Reggiani.

Aproveitando essa ligação e a aguardada estreia do filme Casa Gucci, o editor Graydon Carter convidou Tom Ford para escrever sua visão do filme para a newsletter Air Mail que chegou as caixas de entrada dos assinantes na manhã deste sábado, 26.11. Traduzimos aqui o que escreveu Tom Ford sobre o filme.

“O ex-diretor criativo da Gucci analisa o filme de Ridley Scott sobre a dinastia da moda italiana que explodiu.

Sobrevivi a exibição do filme de duas horas e 37 minutos que é Casa Gucci. O conto brilhante, ambicioso, lindamente filmado e fantasiado de ganância e assassinato é impressionante pelo grande número de estrelas do elenco. O filme rivaliza com a novela Dynasty em sutileza, mas o faz com um orçamento muito maior. Dirigido pelo cineasta Ridley Scott e estrelado por Lady Gaga, Adam Driver, Al Pacino, Jeremy Irons, Jared Leto e Salma Hayek, o filme é …bem, ainda não tenho certeza do que é exatamente, mas de alguma forma me senti que tinha sobrevivido a um furacão quando saí do cinema. Foi uma farsa ou um conto emocionante de ganância? Muitas vezes eu ria alto, mas deveria?

Devo iniciar meus pensamentos afirmando que minha opinião talvez seja tendenciosa. Conheci bem o Maurizio Gucci e trabalhei com ele durante quatro dos anos que são cobertos neste filme. Ele foi assassinado na manhã de 27 de março de 1995, a poucos passos de meu escritório em Milão.

Se eu não estivesse em nosso escritório em Florença naquele dia, certamente teria ouvido os tiros que o mataram. Eu também conhecia muitos dos outros personagens desta saga e fui entrevistado em várias ocasiões para o livro que foi a fonte do filme, então é difícil para mim separar a realidade da novela brilhante e fortemente laqueada que testemunhei na tela. Como acontece com a maioria dos filmes baseados em uma história verdadeira, os fatos são alterados, os personagens são exagerados, os cronogramas distorcidos – e, no final, quem se importa, contanto que essas alterações rendam um grande filme?

Maurizio era muito mais interessante do que sugere sua representação no filme. Ele poderia ser incrivelmente charmoso e surpreendentemente sexy se você o pegasse quando ele estava relaxado. Ele tinha uma visão verdadeira para a empresa, mas tinha dificuldade em se focar. Ele era inconstante. Ele estaria em uma reunião, entraria no banheiro e voltaria uma pessoa completamente diferente. Ele era hétero, pelo que eu sabia, mas passava horas nas tardes trancado em seu escritório com seu decorador e muitas vezes desaparecia por semanas em seu barco com o homem. Ele desejava nobremente que a Gucci fosse mais uma vez a Hermès italiana de sua infância. Infelizmente, ele era um péssimo empresário e acabou com a empresa. Ele costumava fazer toda a equipe de design ficar por semanas criando os novos uniformes para a tripulação de seu iate, o Creole, em vez de nos deixar projetar a nova coleção.

Como o Maurizio na tela, Adam Driver, o protagonista do momento, tem uma atuação sutil e cheia de nuances. Ele é a calma no olho do furacão que gira em torno dele, enquanto seus colegas atores lutam para ver quem pode destruir mais o cenário. Às vezes, quando Al Pacino, como Aldo Gucci, e Jared Leto, como o filho de Aldo, Paolo Gucci, estavam na tela, eu não tinha certeza se não estava assistindo a uma versão do conto no Saturday Night Live. Al Pacino oferece um retrato imponente, mas muito amplo, de Aldo, que, segundo todos os relatos, foi um empresário elegante e experiente que transformou uma empresa familiar florentina em uma marca global, mas que tinha uma leve aversão a pagar seus impostos.

O brilho de Leto como ator está literalmente enterrado sob próteses de látex. Ambos os artistas recebem licença para serem presuntos absolutos – e não da variedade do prosciutto. Eles devem ter se divertido. Paolo, que conheci em várias ocasiões, era realmente excêntrico e fez algumas coisas malucas, mas seu comportamento geral certamente não era como o personagem enlouquecido e aparentemente com os problemas mentais da atuação de Leto. No entanto, Leto como Paolo tem algumas das melhores falas do filme e consegue mijar no famoso lenço Gucci Flora criado para a princesa Grace. Eu fiquei com ciúme disso. Era algo que eu sempre quis fazer, pois constantemente me pediam para tentar reviver aquele maldito lenço.

Jeremy Irons, como Rodolfo Gucci, o pai de Maurizio, é incrível e tem um desempenho muito mais contido e em camadas do que seus parentes na tela. Salma Hayek é ótima, como sempre, mas ela é subutilizada em seu papel como a médium da televisão Pina Auriemma, que é a chave da saga. A escolha de Hayek é particularmente inspirada pelo fato de seu marido ser o atual dono da Gucci, fato que o grande público nunca saberá.

Mas a verdadeira estrela do filme para mim é Gaga. É o filme dela, e ela rouba o show. Em sua interpretação frequentemente exagerada de Patrizia Gucci, seu sotaque migra ocasionalmente de Milão para Moscou. Mas quem se importa? Seu desempenho é perfeito. Não se pode tirar os olhos dela. Quando ela está na tela, ela é dona do quadro – não é uma tarefa fácil com tantos atores do elenco experientes e talentosos competindo por nossa atenção. Muitos, na verdade.

Sente-se que alguns papéis foram expandidos para simplesmente atrair e depois aplacar as estrelas. Conforme o tempo passa, os espectadores estão sujeitos a cenas inúteis e às vezes confusas que parecem existir apenas com o propósito de permitir que os atores principais “atuem”.

Em outras circunstâncias, não há dúvida de que algumas dessas cenas teriam acabado na sala de edição. Mas, como eles permaneceram, não há tempo para o desenvolvimento dos personagens-chave e, portanto, temos pouco apego ou empatia por qualquer um deles. O resultado, infelizmente, é uma história em que não nos identificamos com ninguém.

Maurizio já havia saído da empresa quando assumi o cargo de diretor de criação da Gucci e fiz minha primeira coleção de sucesso. Ele certamente nunca me brindou depois daquele desfile, como faz no filme. Os filmes têm uma maneira de se tornar verdade na mente das pessoas, uma realidade alternativa que com o tempo oblitera a realidade do que era.

Fiquei profundamente triste por vários dias depois de assistir Casa Gucci, uma reação que eu acho que só aqueles de nós que conheciam os jogadores e o jogo vão sentir. Foi difícil para mim ver o humor em algo que foi tão sangrento. Na vida real, nada disso era camp. Às vezes era absurdo, mas no final das contas foi trágico. Mas com as fortes performances de Gaga e Driver, retratos poderosos e exagerados de todo o elenco, figurinos impecáveis, cenários deslumbrantes e uma bela cinematografia, o filme, eu suspeito, será um sucesso. Espalhe o nome Gucci nas coisas e elas geralmente vendem.”


Relacionadas


Veja Também

Assine a newsletter do FFW

Seja o primeiro a ter acesso a conteúdos exclusivos. Nós chegaremos ao seu email semanalmente quando tivermos algo realmente cool e relevante para dividir.

×