28.08.2015 / Fotografia / por

O nu masculino em revista: veja publicações nacionais que tratam do tema

Fotografia de Gianfranco Briceño para editorial da edição #4 da Snaps, que está em fase de financiamento coletivo ©Gianfranco Briceño/Divulgação
Fotografia de Gianfranco Briceño para editorial da edição #4 da Snaps, que está em fase de financiamento coletivo ©Gianfranco Briceño/Divulgação

1 – Snaps

O que é? Intitula-se um fanzine fotográfico (mas parece uma revista!) de publicação semestral com uma visão artística do nu masculino. Retrata essencialmente meninos jovens, donos de uma beleza cotidiana e fresca, que não são modelos profissionais. Chamou a atenção da publicação londrina Dazed, que chegou a afirmar que a publicação “quebra com o machismo por trás da masculinidade”. Após três edições, o zine entra numa nova fase, com novo projeto gráfico. É viabilizado com financiamento coletivo e a campanha via crowdfunding da quarta edição começa no domingo (30/08).

Quando foi criado? A primeira edição foi publicada em maio de 2014 com financiamento coletivo para a produção de 300 exemplares.

Quem faz? Idealizado pelo fotógrafo peruano radicado no Brasil Gianfranco Briceño, o Snaps conta com projeto gráfico de Guilherme Falcão Pelegrino e curadoria de Eduardo Viveiros.

Onde comprar? Pode ser adquirido na campanha de crowdfunding, mas também tem distribuição na Europa, em lugares como a livraria da Tate Modern.

Gianfranco Briceño, fotógrafo responsável pela publicação, responde: O nu masculino e a forma de retratá-lo são diferentes do feminino? Por quê?

“O nu masculino e a exibição do pênis são menos recorrentes na mídia — isso é um fato. Paralelamente, é comum e “natural” que o corpo feminino nu esteja em um outdoor e seja mais aceito pelo público, sem maiores questionamentos e estranhezas. Isso tudo é muito repressivo, pois define o órgão genital externo (pênis) como algo ruim e o interno (vagina) como bom, como se a sexualidade tivesse que ser oculta. Eu consigo enxergar um lado sincero na hora de fotografar meninos. O homem está lá de cara limpa, apenas tira a roupa, não tem com o que se preocupar, não tem maquiagem, não tem poses prontas. Os meninos que fotografo estão mais a serviço da foto do que deles mesmos. Acho que o homem é mais sexual de um jeito mais simples, é um tesão mais honesto.”

Assista ao teaser da quarta edição do Snaps:

www.facebook.com/snapszine
instagram.com/snapsfanzine
www.snapsfanzine.com.br

Nu-masculino-revistas-Fort-Magazine
Fotografia de Fabio Motta para ensaio da segunda edição da Fort, que sai em outubro ©Fabio Motta/Divulgação

2 – Fort Magazine

O que é? Publicação semestral dedicada a fotografar homens. O nu tem uma grande relevância para a revista, mas não trata exclusivamente dele, e conta, por exemplo, com editoriais de moda. Aborda o universo masculino por meio de retratos e editoriais de estilo. A fotógrafa Cassia Tabatini conta que teve a ideia de fazer uma coleção de retratos de jovens em São Paulo e, para isso, convidou amigos que fotografavam homens porque trabalham com imagem, mas não eram fotógrafos profissionais. Assim nasceu a Fort, “sem nenhum texto, sem muita regra, uma coleção de imagens que gostamos muito”.

Quando foi criada? O primeiro número foi lançado em 2013 e o segundo sai em outubro.

Quem faz? A revista foi criada pelos fotógrafos Cassia Tabatini e Fabio Motta, e conta com direção de arte de Kleber Matheus e Roberta Cardoso, curadoria de Cassia Tabatini, Cecilia Duarte e Marcio Simnch, edição de moda de Thiago Ferraz, edição de Luigi Torre e produção executiva de Fernando Sapuppo.

Onde comprar? Em São Paulo, a revista pode ser comprada na Cartel 011.

A fotógrafa Cassia Tabatini, responsável pela publicação, responde: O nu masculino e a forma de retratá-lo são diferentes do feminino? Por quê?

Minha relação com o modelo (dos dois gêneros) é praticamente a mesma. Pra mim não tem diferença nenhuma. Estou sempre captando o melhor que posso como imagem. Penso o que cada indivíduo deveria me oferecer como imagem. Aí vem o briefing e a escolha da locação, como qualquer imagem a ser construída, dependendo da sua finalidade. Se existe alguma diferença nesse nu é a aceitação do público.

www.facebook.com/fortmagazine
instagram.com/fort_magazine

Nu-masculino-revistas-Made-in-Brazil-Marlon-Teixeira
Marlon Teixeira fotografado por Milan Vukmirovic para edição #9 da Made in Brazil ©Milan Vukmirovic/Divulgação

3 – Made in Brazil Magazine

O que é? Revista com tiragem limitada focada em beleza masculina, a Made in Brazil não retrata somente o nu, e já fez vários editoriais de moda. Conta com anunciantes internacionais de moda (atualmente não há participação de marcas brasileiras).

Quando foi criada? A Made In Brazil foi lançada em 2010 e, atualmente, é uma revista anual.

Quem faz? Juliano Corbetta é o fundador do projeto e único membro fixo. O time varia de edição para edição, mas ele trabalha com frequência com os mesmos diretores de arte e fotógrafos, como Cristiano Madureira, um dos primeiros no Brasil a se dedicar ao nu masculino.

Onde comprar? A última edição, dedicada ao modelo Marlon Teixeira, está à venda na Prince Books, em São Paulo, na Livraria Cultura de todo o país e no site www.madeinbrazilmag.com.

Juliano Corbetta, idealizador da Made In Brazil, responde: O nu masculino e a forma de retratá-lo são diferentes do feminino? Por quê?

Eu trabalho muito mais com homens do que com mulheres, mas, para mim, a forma de retratar o nu masculino e feminino é mesma e requer os mesmos mecanismos: confiança, a equipe certa e o motivo certo. Acredito que a diferença entre o nu masculino e o feminino não está no momento da foto, mas sim na percepção que as pessoas têm de uma foto de um homem nu versus de uma mulher nua. O nu feminino é tratado pelo público com muito mais naturalidade do que o masculino, especialmente no Brasil, e acredito que muitas pessoas ainda se incomodem em ver um homem bonito nu em uma revista. Talvez pela mentalidade machista e até certo ponto preconceituosa do país, o nu masculino ainda é considerado transgressor, enquanto o nu feminino chega a passar despercebido, mesmo em publicações de moda. Em outros países, principalmente na Europa, esse assunto nem é discutido, e adoraria poder aposentar o tema aqui também.

www.facebook.com/pages/Made-In-Brazil
www.madeinbrazilblog.com

+ Revista independente “Made In Brazil” lança edição dedicada a modelos internacionais

+ A vez deles: modelos masculinos ganham fanzine internacional

Clique na galeria para ver fotos e ensaios das publicações.


Relacionadas


Veja Também