FFW
newsletter
RECEBA NOSSO CONTEÚDO DIRETO NO SEU EMAIL

    Não, obrigado
    Aceitando você concorda com os termos de uso e nossa política de privacidade

    A Fórmula 1 e a moda nunca estiveram tão próximos

    O esporte mais estiloso de todos está mais na moda do que nunca. Entenda os motivos.

    A Fórmula 1 e a moda nunca estiveram tão próximos

    O esporte mais estiloso de todos está mais na moda do que nunca. Entenda os motivos.

    POR Julia Lange

    Os fãs brasileiros de Fórmula 1 podem oficialmente comemorar: a etapa brasileira da competição chega a São Paulo neste final de semana. Serão três dias de evento, com início na sexta feira (3) pela manhã, com treinos, homenagens e até mesmo um desfile de carros.

    O esporte mais estiloso de todos, que tinha milhões de fãs e espectadores ao redor do mundo nos gloriosos tempos de Ayrton Senna e Michael Schumacher, passou por uma fase de menos interesse, com quedas de audiência, principalmente entre a nova geração.

    Para virar esse jogo, a FIA, organização por trás da Fórmula 1, vem criando uma série de ações ligadas à cultura e lifestyle para atingir novos públicos e trazer de volta os velhos e gloriosos tempos à categoria.

    Um desses produtos foi a série da Netflix Drive to Survive que já foi assistida por mais de 6 milhões de pessoas. A popularidade de alguns pilotos, principalmente fora das pistas, também tem colaborado para o esporte voltar a ser assunto entre os jovens. O filme Apex, que será estrelado por Brad Pitt, está sendo produzido e vai contar exatamente sobre a competição automobilística, com direção de Joseph Kosinksi.

    O apelo recente das corridas ultrapassou as pistas e definitivamente pôs os pés na cultura pop. Desde a ascensão da estética da moda influenciada pela F1, como o motorcore, até o status de celebridade dos pilotos favoritos dos fãs.

    Não é à toa que a influência crescente do automobilismo toma conta de muitas coleções de moda – e vice-versa. Seja por meio da escolha de pilotos como embaixadores oficiais para algumas das casas de luxo mais antigas até os uniformes desenhados por nomes de peso do mundo fashion, as duas realidades se misturam muito bem.

    Pilotos fashionistas

    Vencedor de sete títulos mundiais, Lewis Hamilton é possivelmente o nome mais pop e fashionista do esporte. O inglês faz dos grandes prêmios sua passarela. A cada GP ele é fotografado vestindo looks e peças de grandes marcas de moda e jóias, algumas delas feitas especialmente para ele. Sua ousadia já foi inclusive criticada pelos fãs mais conservadores do esporte e motivo de punição. Entre suas marcas e designers favoritos estão Bottega Veneta, Louis Vuitton e Valentino, de quem ele já foi garoto propaganda. Além disso, o atleta é conhecido por vestir e dar visibilidade a marcas de estilistas negros como Bianca Saunders e Daily Paper.

    O japonês Yuki Tsunoda, piloto da Alpha Tauri, afirmou em entrevista que ele recebe mais perguntas em sua DM sobre suas roupas durante um fim de semana de corrida do que sobre como ele dirigiu. “Assim que entro em um carro de F1, você só consegue me caracterizar pelo meu capacete”, disse ele. “Você não consegue ver muito sobre a aparência de uma pessoa de fora de um carro de corrida, então a moda é uma boa maneira de mostrar sua personalidade.”.

    As marcas de luxo, atentas a essa onda de popularidade da F1, têm criado coleções e campanhas com alguns desses pilotos. Boss elegeu como embaixador o piloto da Aston Martin Fernando Alonso, enquanto o britânico Lando Norris, da McLaren, foi nomeado embaixador global da marca de artigos de viagem Tumi. Já o chinês Guanyu Zhou, que corre pela Alfa Romeo, assinou um contrato com a marca Lululemon e estava presente no desfile masculino da Prada, em janeiro. E não para por aí, com Pierre Gasly sendo convidado para o desfile masculino da Louis Vuitton em Paris em junho, e os pilotos da Ferrari Charles Leclerc, para Armani, e Carlos Sainz, na apresentação oficial da Ferrari.

    Das pistas para as passarelas

    Ferrari está longe de ser apenas a marca mais luxuosa de carros e uma das equipes mais tradicionais da Fórmula 1. Em 2021, a escuderia italiana estreou nas passarelas da Milão Fashion Week com uma coleção de moda assinada por Rocco Iannonee com o desafio de traduzir para uma coleção de roupas e acessórios, toda a história de inovação da marca do cavalo rampante, cujo vermelho é a cor símbolo. Desde então, a Ferrari apresenta seus desfiles duas vezes ao ano, ao lado de marcas como Prada e Gucci.

    Peças da Palm Angels

    As collabs

    Com alguns pilotos ganhando status de celebridades influentes e a aproximação recente da moda do universo esportivo, era natural que diversas marcas vissem no mundo da F1 um cenário fértil (e lucrativo) para realizar collabs.

    Tommy Hilfiger, um apaixonado por corridas de carros, tem uma linha assinada por Lewis Hamilton e patrocina a equipe Mercedes AMG Petronas. A marca italiana de tênis P448 lançou sneakers personalizados em conjunto com Gasly e Tsunoda (Alpha Tauri) que esgotaram em menos de 24h e a também italiana Palm Angels, fundada por Francesco Ragazzi, é parceira da equipe Haas para a temporada de 2023.

    F1, Puma e A$AP Rocky

    A mais recente novidade unindo F1 e moda foi o anúncio da Puma na última semana, nomeando A$AP Rocky como seu novo diretor criativo para as coleções em parceria com a Fórmula 1. “Quando o mundo ver o que estamos fazendo, acredito que uma mudança acontecerá na forma como a abordagem da marca assume riscos e trabalha com diversos criativos.”. As primeiras peças serão reveladas no Prêmio de Las Vegas, no fim de novembro.

    O Grande Prêmio do Brasil 2023 de Fórmula 1 acontece neste domingo (5), em São Paulo, às 14 horas e será interessante observar se esse efeito da popularidade da fórmula 1 para além das pistas também existe por aqui.

    Não deixe de ver
    A Chanel ainda vale o preço que cobra?
    Chinesa Temu chega ao Brasil em 2024
    Inditex, dona da Zara, lança marca para competir com a Shein
    Usher como modelo da Skims, o novo diretor criativo da GAP, vendas da Kering em queda e mais!
    Arezzo e Grupo Soma confirmam fusão para formar empresa de R$ 12 bilhões
    Arezzo e Grupo Soma se preparam para uma possível fusão
    Ação judicial entre a Chanel e a WGACA tem início em NY
    O que o sucesso do Ssense tem a ensinar para os e-commerces de moda?
    Farfetch é comprada pela sulcoreana Coupang
    O consumo de fast fashion no Brasil