08.11.2018 / Tecnologia / por

Tecnologia e sustentabilidade: os destaques do Festival WeAr Brasil

Brincos da WeMe feitos em 3D © Cortesia
Brincos da WeMe feitos em 3D © Cortesia

A quarta edição do Festival WeAr Brasil, que busca reunir criadores e criativos que constroem o futuro da moda com tecnologia, acontece semana que vem, nos dias 12 e 13.11 (segunda e terça-feira). A novidade desta edição já começa pelo local, saindo do espaço acadêmico e ocupando a multimarca paulistana Cartel 011. “A ideia é reunir marcas e criadores de moda conectados com os valores atuais e que utilizam tecnologias no processo de produção, no serviço e/ou no produto final”, diz Alexandra Farah, idealizadora do projeto.

Em suas pesquisas para o festival, ele acaba se deparando com muitas novidades e novos conceitos. “Hoje nós falamos em todas as formas de inteligência que podem ser aplicadas ao produto final, que é a roupa, buscando mais funcionalidade e também deixando a moda um pouco mais sustentável. Fazer um upgrade dos valores da moda faz parte do movimento fashion tec. Atualmente todos os caminhos nos levam para uma sustentabilidade ambiental, social e econômica. Para o festival, fui atrás de produtos que têm esse viés de moda e que conseguem transformar a funcionalidade em um design bonito e desejável”.

A programação inclui masterclass, pitch de startups que mostrarão seus produtos revelando como foram feitos e quais problemas resolvem, fashion tech tour por empresas inovadoras, além da primeira loja brasileira de roupas e acessórios inteligentes, a pop-up Moda no Futuro. Essa última, uma parceria do WeAr com a Amazon, abre para o público no final do festival com festa no Cartel 011 e fica até 25.11. Os produtos podem ser comprados lá ou através do site da Amazon.

Alexandra dá alguns exemplos do que encontrar por lá. “O conceito de sustentabilidade com o qual trabalhamos é o de desenvolver um produto mantendo o equilíbrio do meio ambiente. Não jogar sobras, não tirar, não ter que desmatar. Na loja, temos uma bolsa que carrega o celular através da energia solar com uma placa biodegradável, que não usa silício. A sustentabilidade não é um objetivo que você alcança, é um fazer constante. Ela deve ser aprimorada por meio de erros e acertos. Na nossa loja todos os produtos não são apenas “gadgets”, eles têm um viés sustentável. A camisa da Horvath tem uma nanotecnologia que permite lavar menos a peça, o que economiza água. A calcinha da Pantys despensa o uso do absorvente, que é muito poluente”.

A masterclass que abre o festival reunirá pesquisadores e especialistas que mostram como inovações de ponta podem solucionar questões fundamentais da indústria. Maurício Magaldi, líder de blockchain da IBM, contará o que é e como funciona essa novíssima tecnologia. Em paralelo, o Instituto Alinha lança sua plataforma, a primeira brasileira que usa blockchain para melhorar as condições de trabalho nas oficinas de costura.

Já Ricardo Nascimento, pesquisador brasileiro que reside na Holanda, e Alfredo Orobio, nome por trás da plataforma de co-criação Away to Mars, participam do talk Novos Materiais. “Desde sempre a moda retira da agricultura, da pecuária e do petróleo as suas matérias-primas básicas. Com o aumento da produção de vestuário barato, que cresceu 400% desde os anos 1990, este processo ficou muito pesado para o meio ambiente. Mostrar as soluções trazidas pela biotecnologia é fundamental neste momento”, diz Farah.

O fashion tour tech acontece no segundo dia, levando o público para dentro de empresas como Rhodia e Riachuelo para conhecer a fabricação de fios, centro de distribuição e acompanhar como é a logística de uma grande rede, finalizando na Japan House, com um tour guiado pela exposição de wearables da marca japonesa Anrealage.

Veja a programação completa aqui.

Serviço

WeAr Festival
Quando:
12.11 e 13.11 das 10h às 19h
Onde: Cartel011. Rua Artur de Azevedo, 517, Pinheiros, SP
Quanto: R$ 260 a R$ 477. Compre aqui.
Mais informações: clique aqui.


Relacionadas


Veja Também