13.08.2018 / Tecnologia / por

Impressão 3D: um guia para você colocar a mão na massa

Close na impressora 3D imprimindo um tênis da Nike / Reprodução
Close na impressora 3D imprimindo um tênis da Nike / Reprodução

Na sexta-feira, nós publicamos a primeira parte do nosso especial sobre impressão 3D com uma introdução ao sistema que já está revolucionando o mercado em muitas áreas, inclusive a da moda. Neste segundo capítulo, damos a você as ferramentas para colocar a mão na massa com links dos softwares necessários, fotos e videos de produtos e processos, os materiais usados nesse método, um pouco de quem já faz e, o melhor, os locais aqui no Brasil onde você pode ir lá e experimentar por conta própria.

Este artigo foi feito com a colaboração de Renan Serrano, Joy Pires, Rafaela Blanch Pires, Renata Portelada, Rafa Silvério, Ricardo Nascimento, Guto Marinho, Carol Puppe, Ana Luisa Fernandes, Will Lima.

O que é design paramétrico

Vá se acostumando com este termo. O design paramétrico tem sido cada vez mais utilizado ao redor do mundo como metodologia em áreas como arquitetura, design de móveis, moda e indústria dos calçados, por exemplo. Arranjos ou formas complexas que seriam impossíveis nas metodologias tradicionais, são facilmente processadas e aplicadas. A construção de algo (uma casa, um sapato, um vestido) se baseia em parâmetros que norteiam o processo e oferecem os dados necessários para a elaboração e definição de formas.

Há um ponto que vale observar. É uma tecnologia inovadora e que tem transformado todas essas áreas que lidam com a estética, por tornar os processos mais fáceis e livres. Porém, como observou um de nossos consultores, o fato de muita gente hoje usar o design paramétrico faz com que tudo fique meio parecido esteticamente (dá para ver semelhanças entre uma casa, uma cadeira e um vestido, por exemplo). Outro ponto que ele abordou é: quem é o dono do arquivo de gerou o vestido? A pessoa que desenhou no paramétrico ou o estilista? Depende do combinado, mas na maioria das vezes o arquivo pertence a quem desenhou. Com cada novidade, vem também seus questionamentos, já que muitos trabalhos são feitos em parcerias e colaborações de profissionais de áreas diversas.

Mergulhe no mundo da impressão 3D, um mundo que se abre, e conheça alguns locais no Brasil em que você pode ir para experimentar.

Softwares 

Há muita coisa disponível online. Muitos dos softwares que você precisa para trabalhar são gratuitos e não necessitam conhecimentos prévios de programação e scripts, e ainda assim permite que designers, estilistas e arquitetos criem formas paramétricas complexas. Abaixo, uma lista de softwares elaborada pelo time de consultores de impressão 3D:

Tinkercad (gratuito)

Openscad (gratuito)

Blender (gratuito)

Processing (gratuito)

Rhinoceros (pago)

Grasshopper (pago)

Maya (pago)

Materiais usados na impressão 3D

Nylon

FilaFlex (Ninja Flex; Recreus é oq a Danit Peleg usa)

PLA  pode ser misturado com madeira em pó, cevada em pó, ferro, café em pó, etc.

PETG – (HÍBRIDO) PETG, usado em impressão 3D é uma versão modificada do PET (o G significa modificado com glicol) que garante um material mais claro e mais fácil de usar que a forma base.

Estereolitografia (SLA) resina

Além de metais, até mesmo ouro que podem ser usados em máquinas específicas de altíssima temperatura.

Lista completa de tecnologias

Designers que trabalham com impressão 3D

Iris van Herpen: Nós já falamos muito sobre a designer holandesa aqui no FFW, mas especificamente em seu trabalho envolvendo 3D, a solução que ela encontrou foi contratar estagiários de arquitetura para criarem as peças usando softwares de parametria e arquitetura. Muitos deles ainda nem se formaram na faculdade, o que possibilita a ela criações a custo zero e um local de experimentação e resultado para os estudantes.

Danit Peleg: designer de moda completamente mergulhada na impressão 3D. Ela acabou de dar um curso online em que você aprende a modelar e no final ainda pode baixar um arquivo de uma roupa dela. Porém, suas roupas não são completamente impressas, tem tecido para “segurar” a parte impressa que se abre com o peso. Para uma impressora caseira, tem que ficar imprimindo pequenas partes e juntar depois.

Flora Miranda: – 3D designer, essa estilista austríaca (e baseada na Antuérpia), usa dados e inteligência artificial para criar roupas com inserção de peças em 3D.

Flora Miranda / Reprodução
Flora Miranda / Reprodução

Julia Koerner: Ela fez parte do figurino de Black Panther e trabalhou com Iris van Herpen em vários designs.  Entre os críticos especializados, o figurino de Black Panter foi dos mais bonitos e inovadores, principalmente as roupas usadas por Angela Basset. A coroa e a parte de cima da roupa foram impressos em 3D. Julia usou uma tecnologia chamada laser sintering, uma tecnologia de impressão 3D baseada em pó, que oferece um alto nível de liberdade ao projeto, pois não necessita de nenhum outro suporte.

Personagem de Angela Basset no filme Black Panter, com figurino impresso em 3D / Reprodução
Personagem de Angela Basset no filme Black Panter, com figurino impresso em 3D / Reprodução

Pringle of Scotland e Richard Beckett: Em 2014 a tradicional marca escocesa fez uma parceria com o arquiteto e cientista de materiais Richard Beckett, onde projetaram uma série de tecidos impressos em 3D, que na época era  uma tecnologia inovadora nunca antes vista em uma coleção de prêt-à-porter. Cada um dos tecidos foi projetado digitalmente e composto de mais de 1000 geometrias impressas em 3D que se entrelaçam para criar materiais tridimensionais sob medida. Estes materiais foram então integrados na coleção usando técnicas tradicionais de tricô.

pringle-of-scotland-autumn_winter-2014-womenswear-collection-look_06_hr2
Um dos looks da Pringle em parceria com Richard Beckett / Reprodução

Ross Lovegrove: Designer britânico que sempre defendeu um “design sem gordura”, criando projetos de “essencialismo estético”, que se ocupa somente do essencial. Junto com Zaha Haddid (r.i.p), criou uma linha de sapatos impressos em 3D para  marca holandesa United Nude.

Daniel Widrig: arquiteto inglês que trabalhou por muito tempo com Zaha Hadid e foi um dos primeiros arquitetos a colaborar com Iris van Herpen.

Rem  D Koolhaas: Arquiteto e designer holandês (sobrinho do Rem Koohaas), diretor criativo e fundador  da marca United Nude, onde criou colab com vários designers e arquitetos para produzir sapatos em 3D, como Iris van Herpen, Zaha Hadid e Issey Miyake.

Sapatos da United Nude em parceria com Zaha Hadid / Reprodução
Sapatos da United Nude em parceria com Zaha Hadid / Reprodução

Arturo Tedeschi: Design computacional, um dos mais reconhecidos no campo de modelagem 3D algorítmica e avançada nas plataformas Rhinoceros / Grasshopper. É autor de artigos importantes para o entendimento desta tecnologia, como AAD Algorithms-Aided Design e Parametric Architecture with Grasshopper. Colabora com as marcas como Adidas e United Nude.

Behnaz Farahi: Designer que trabalha na interseção entre moda, arquitetura e design de interação, Behnaz explora o potencial dos ambientes interativos e sua relação com o corpo humano. Fez trabalhos para Adidas, Fuksas Studio e 3DSystems / WILL-I-AM e foi colaboradora do professor Behrokh Khoshnevis em dois projetos de pesquisa financiados pela NASA, desenvolvendo uma tecnologia de fabricação robótica para estruturas de impressão 3D na Lua e em Marte.

Michael Schmidt: Designer nova-iorquino criou alguns modelos de calçados para também a marca holandesa United Nude, com diferentes saltos impressos em 3D moldados usando algoritmos, mas seu trabalho ficou mesmo conhecido quando em 2013, criou um modelo de vestido com impressão 3D para  Dita Von Teese.

Sofia Bjorkman: Designer de joias sueca, cria trabalhos incríveis utilizando caneta 3D – nem usa impressora, somente a caneta 3D – mais sobre essa tecnologia aqui.

Nervous System: Estúdio de design generativo de Jessica Rosenkrantz e Jesse Louis-Rosenberg que trabalha com a interseção de ciência, arte e tecnologia. Em seu site há diversos trabalhos em 3D, mas o mais conhecido é o Kinematic Petal Dress, inspirado em pétalas, plumas e escalas. O vestido pode ser customizado para o corpo de quem vai usar, cada elemento, como comprimento, forma e a direção das pequenas partes que o compõem, é customizado individualmente.

O Kinematic Petals Dress do Nervous System / Reprodução
O Kinematic Petals Dress do Nervous System / Reprodução

Quais locais temos no Brasil pra fazer isso:

Fablab Livre – SP (gratuito)

Red Bull Basement – SP (gratuito)

Lilo Zone – SP (pago)

We Fab – SP (pago)

Garagem Fab Lab – SP (pago)

Faz Makerspace (BH)

Fab Lab Newton (BH)

Laboratório Aberto (BH)

 


Relacionadas


Veja Também