FFW
newsletter
RECEBA NOSSO CONTEÚDO DIRETO NO SEU EMAIL

    Não, obrigado
    Aceitando você concorda com os termos de uso e nossa política de privacidade

    O metaverso agora tem uma semana de moda pra chamar de sua

    O metaverso agora tem uma semana de moda pra chamar de sua

    POR Camila Yahn

    Agora aguenta: já temos data para uma semana de moda no metaverso. A plataforma Decentraland anunciou para o dia 24 de março a primeira Metaverse Fashion Week, com quatro dias de desfiles, showrooms, lojas, palestras e eventos virtuais.

    Entre as marcas que participam, há boatos de que estão confirmadas Hugo Boss, Burberry e Balenciaga e, segundo a organização, ainda há mais marcas de luxo, emergentes e criadores digitais envolvidos no projeto.

    O Decentraland é uma plataforma de realidade virtual alimentada pela blockchain Ethereum. Ela tem investindo pesado na moda e já é uma das referências mais conhecidas no metaverso, com vários investidores comprando terrenos, já que os usuários podem comprar e vender imóveis digitais, enquanto exploram, interagem e jogam dentro deste universo virtual.

    A ideia da Metaverse Fashion Week é ser um espaço virtual para as semanas de moda globais e também uma espécie de test drive para as marcas testarem a tecnologia de uma plataforma de mundo virtual. Avatares desfilarão os itens que podem ser compráveis e vestíveis no mundo virtual – podemos também esperar que algumas marcas reproduzam no mundo físico algumas peças.

    Como participar

    A semana vai de 24 a 27 de março e você acessa a partir do site do Decentraland – lá tem todas as informações, tipo um manual para iniciantes de como interagir com a plataforma. Aqui tem os anúncios dos eventos que acontecem por lá e o FAQ (conteúdos em inglês).

    Para cessar o Decentraland, você precisa de um computador PC ou Mac com Chrome, Firefox ou Brave instalados. E para ter uma experiência completa, você precisa da carteira digital, que funciona como sua conta pessoal.

    O lado b do metaverso

    A chegada do metaverso certamente foi antecipada pela pandemia, que digitalizou diversas experiências físicas, das peças de teatro aos desfiles de moda. Em dois anos, muito mudou. A moda se abriu modo full para o digital, o que, de certa forma, democratizou as semanas de moda. Enquanto no mundo físico a gente tem que ser convidado para um desfile, no digital, todos irão assistir a mesma coisa do mesmo jeito.

    Não é bem assim no metaverso. Nesta semana de moda, por exemplo, a maior parte dos eventos é aberta ao público, mas acredita que já tem marcas perguntando sobre acesso vip e lugar na primeira fila? Ou seja, as barreiras e comportamentos do mundo físico estão já sendo replicadas no metaverso. A gente mal começou a conversa sobre acesso no meio da moda, daí surge esse mundo que é super novo, mas vai operar como um mundo super velho.

    Quanto será que a Burberry tá pagando para participar? Uma marca menor teria recursos para fazer parte também? Quem são os seres humanos por trás da organização, que convida as marcas, escolhe o “casting”, seleciona quem entra, quem participa e qual experiência aquela pessoa pode ter acesso?

    Outro ponto é: que tipo de equipamento você precisa para acessar o ? Há os aparelhos de realidade virtual e aumentada que custam alguns milhares de dólares e

    Será que o metaverso, do alto de toda a sua modernidade e tecnologia, vai apenas replicar os maus hábitos do mundo real?

    Não deixe de ver
    Moda e comida estão cada vez mais juntas
    Está todo mundo correndo? Como a corrida se tornou o esporte que mais atrai praticantes
    Beyoncé abre inscrições de bolsas de R$25 mil para empreendedores negros e indígenas do Brasil
    O livro é o mais novo acessório da moda. E também o mais cool
    Fresh Prince da Bahia e a revolução cultural da Batekoo
    Maturidade x Plasticidade: Supermodelos, retoques e a ilusão da juventude na moda
    Por que estamos nostálgicos do que vivemos há tão pouco tempo?
    Quiet Luxury: Por que todos querem se vestir como os bilionários?
    Stylists e influencers: até que ponto vai a personalidade quando se terceiriza um estilo pessoal?