FFW
newsletter
RECEBA NOSSO CONTEÚDO DIRETO NO SEU EMAIL

    Não, obrigado
    Aceitando você concorda com os termos de uso e nossa política de privacidade

    Novo livro de André Carvalhal reflete novas narrativas e saídas para o cotidiano

    “Como libertar o presente” é a quinta publicação do escritor e consultor

    Novo livro de André Carvalhal reflete novas narrativas e saídas para o cotidiano

    “Como libertar o presente” é a quinta publicação do escritor e consultor

    POR Gabriel Fusari

    O fim do ano chegou e com ele o momento de reflexão sobre o presente e o próximo ano que vem aí. Com as mudanças climáticas e com o aumento da exploração do homem pelo homem, é importante entender a própria existência no mundo. 

    Nesse contexto de repensar comportamentos, anseios e ideais, o escritor e consultor André Carvalhal lançou seu quinto livro intitulado Como libertar o presente – Cocriação de novas narrativas pela Editora Vozes.

    Sucessora  de Como salvar o futuro, a nova publicação foi escrita pensando num mundo pós pandêmico, em que as pessoas tentam fazer malabarismos para lidar com os  impactos mentais, sociais e econômicos. A principal mensagem do livro gira em torno do nosso aprisionamento e comportamentos limitantes “Eu falo muito sobre a gente reconhecer esses sistemas que nos aprisionam num modo de vida insustentável para que a gente possa ter uma vida mais livre”.

    O livro crítica indireta ao sistema capitalista e a forma que ele impacta  nossa sociedade. Entretanto, André prefere focar suas críticas em ramificações mais certeiras, como exemplo o sistema da moda ou da publicidade.  “Ao longo do livro inteiro eu não falo ‘capitalismo’. Até porque muitas vezes quando a gente nomeia a gente acaba distanciando as pessoas. Pelo menos, eu percebo isso. As pessoas veem o sistema capitalista como algo muito grande, algo muito monstruoso. Tem um autor que eu cito no livro que ele fala que é mais fácil a gente pensar no fim do mundo do que no fim do capitalismo”,  explica. 

    Ao levar o leitor para uma reflexão sobre o papel individual dentro do coletivo, Carvalhal aborda de forma propositiva a busca do autoconhecimento,  para se atingir um equilíbrio entre a saúde mental e um propósito dentro do trabalho, redes sociais e na sociedade.  “Eu acho que a primeira noção muito importante é a gente entender que a gente não é livre. Esses sistemas nos fazem acreditar que somos livres pra fazer as nossas escolhas, para consumir o que a gente quiser. Quando na verdade vivemos em um sistema onde a gente é muito preso a um roteiro”, opina.

    Para quem busca um olhar sobre moda no livro, pode se contentar com as pensadas sobre tendência e consumo, que tem um impacto muito significativo no meio ambiente. “A gente precisa entender que a moda que a gente vem fazendo até hoje vai contra o planeta. Uma alternativa para isso é a gente entender que por mais que a roupa seja o mais tangível da moda, ela pode ser muito mais do que somente roupa. Moda é conteúdo, é música, é serviço e informação”. 

    Um exemplo de caminho que Carvalhal acredita ser possível para contornar o impacto da moda é o da redução do consumo e a opção pela moda circular, além de compreender os caminhos que a roupa faz até chegar em nossas mãos.  “Não que eu tenha a intenção de tolher o desejo de alguém, mas sim provocar a reflexão sobre porque de fato você gosta realmente daquilo. As pessoas também têm um papel muito importante de desenvolver um olhar mais crítico e desenvolver um olhar questionador em relação a todas essas mensagens que a gente recebe”, conclui. 

    O livro Como libertar o presente já está à venda no site da Editora Vozes pelo valor de R$49,90.

    Não deixe de ver
    Moda e comida estão cada vez mais juntas
    Está todo mundo correndo? Como a corrida se tornou o esporte que mais atrai praticantes
    Beyoncé abre inscrições de bolsas de R$25 mil para empreendedores negros e indígenas do Brasil
    O livro é o mais novo acessório da moda. E também o mais cool
    Fresh Prince da Bahia e a revolução cultural da Batekoo
    Maturidade x Plasticidade: Supermodelos, retoques e a ilusão da juventude na moda
    Por que estamos nostálgicos do que vivemos há tão pouco tempo?
    Quiet Luxury: Por que todos querem se vestir como os bilionários?
    Stylists e influencers: até que ponto vai a personalidade quando se terceiriza um estilo pessoal?