FFW
newsletter
RECEBA NOSSO CONTEÚDO DIRETO NO SEU EMAIL

    Não, obrigado
    Aceitando você concorda com os termos de uso e nossa política de privacidade

    A história dos desfiles de moda

    De apresentações intimistas sem música à grandes espetáculos e celebridades por todos os lados, contamos aqui a história dos desfiles de moda.

    gisele bündchen(victoria’s secret), desfile na década de 30, desfile chanel

    A história dos desfiles de moda

    De apresentações intimistas sem música à grandes espetáculos e celebridades por todos os lados, contamos aqui a história dos desfiles de moda.

    POR Vinicius Alencar

    Atualmente quem acompanha moda sabe que não é mero exagero afirmar: todo dia em algum lugar do globo está acontecendo um desfile. O formato pode parecer bem contemporâneo, mas tem quase 200 anos (!) acredita? Mesmo com tantos questionamentos recentes sobre seu formato, os desfiles ainda se provam como a forma mais efetiva e de alto  impacto para se promover uma nova coleção e seus conceitos. Ao longo de todos esses anos, o formato de “vai e vem de modelos” evoluiu e mantém papel fundamental em como a moda é propagada.

    Mas como os desfiles nasceram e como eles foram se tornando verdadeiros espetáculos com o passar das décadas? Explicamos tudo aqui!

    Os primeiros desfiles

    No século 19, mais especificamente ali por 1860, o inglês Charles Frederick Worth começou a contratar modelos, as mesmas que posavam para artistas nas escolas de artes, para pequenas apresentações de suas criações. Vale ressaltar que as roupas até então eram feitas sob medida e os lançamentos não se prendiam ao conceito de inverno e verão. O que era intimista logo se tornou uma vitrine viva. Bem marketeiro, Charles fez um desfile-show no Hipódromo de Longchamp em Paris e mal sabia ele que faria escola. 

    Na virada do século o couturier Paul Poiret decorava seus salões déco para receber suas clientes mais frequentes, nada de fotógrafos, um evento idealizado unicamente e exclusivamente para compra.

    atêlie de Charles Frederick Worth

    Os desfiles no pós-guerra

    Nos anos 1920, Chanel, Vionnet e Schiaparelli realizavam pequenas reuniões, fotógrafos seguiam sem ser convidados e as editoras muito menos. Mas tudo mudou após o final da segunda guerra mundial em 1945. A apresentação de 1947 de Christian Dior não foi só célebre pelo New Look, ali, pela primeira vez, fotógrafos de revistas e jornais, editoras e, claro, colecionadoras (como são chamadas as clientes de alta-costura) formariam a tríade dos desfiles de moda.  

    Sem música

    Cristóbal Balenciaga agendava apresentações em janeiro e junho para clientes escolherem peças antes de embarcarem para as férias de inverno e verão – nada de trilha sonora, apenas pequenas placas para que as colecionadoras identificassem os modelos preferidos e anotassem em uma folha os seus escolhidos. Os eventos passaram a fazer parte da agenda de socialites, da aristocracia e, aos poucos, das estrelas do cinema. 

    Desfiles se tornam happenings com o advento do pret-à-porter

    Nos anos 1960, com a chegada do prêt-a-porter (o pronto para usar), desfiles se tornaram happenings, com o conceito de celebs e formadoras de opinião na fila A. Na Saint Laurent, as musas Betty Catroux e Loulou de La Falaise. Halston? Bianca Jagger! Valentino? Jackie O e Sophia Loren. Givenchy? Trazia Audrey Hepburn de Hollywood. Rabanne levava todos para galerias de arte em desfiles performáticos. Pierre Cardin apresentava coleções às margens do Rio Sena.

    Nos anos 1970, as semanas de moda ainda estavam se estabelecendo em um circuito, mas muitos preferiam apresentações off-calendário: a italiana Fiorucci ia pro Studio 54, Kenzo nas boates em Paris, onde modelos dançavam em cima das mesas e pavimentavam a década seguinte. 

    Yves Saint Laurent e Pierre Cardin. fotos de acervo

    Os desfiles como espetáculos

    A década de 1980 eram protagonizada pelos grandes shows, Thierry Mugler foi o primeiro a vender ingressos para os seus “shows” no Cirque D’Hiver, extrapolando a duração de uma hora. Montana ia pelo mesmo caminho, seguido por Jean Paul Gaultier, com a entrada de Karl Lagerfeld na direção criativa da Chanel, 100 looks eram de praxe. E dá-lhe pivô e carão. 

    As supermodels invadem a passarela

    Na chegada dos anos 1990, Gianni Versace aposta alto na presença das supermodels, que arrastavam os fotógrafos não só para a sala de desfile, como para o backstage. E com modelos se tornando celebridades, elas levavam seus namorados famosos para a fila A: Johnny Depp, Richard Gere, Leonardo di Caprio. No outro extremo, os anti-fashion, liderados por Margiela, iam para as periferias desfilar em galpões abandonados. 

    2000: o impacto da internet nas passarelas e nas primeiras filas

    Quando chegamos ao século 21, celebridades também passaram a desfilar, desfiles inteiros começaram a ser publicados na internet em tempo real e os conglomerados LVMH e Kering passam a disputar qual desfile seria o mais grandioso. Na virada de 2010 para 2020 uma ruptura: editoras-superstars como Anna Dello Russo e Giovanna Battaglia passaram a dividir seus lugares com influencers e o resto como sabemos é história… 

    desfile de inverno 2024 da Miu Miu

    Fashion Week non-stop

    Atualmente, marcas européias apostam alto em celebridades asiáticas, especialmente nas estrelas do K-pop, que arrastam multidões para as portas dos desfiles e inundam as transmissões ao vivo suplicando por imagens de seus ídolos. Desfiles passaram a ser onipresentes, com mais desfiles de coleções intermediárias que levam convidados aos mais diversos destinos. A Dior, por exemplo, chega a realizar 8 desfiles no ano. Uma ferramenta eficaz, mas que, aos poucos, começa apresentar um certo cansaço. De tão frequentes, os desfiles não despertam mais deslumbre e fascínio como outrora – o de couture 2024 da Maison Margiela foi uma verdadeira exceção. 

    Você conhece nosso acervo de imagens de desfiles? O FFW tem o maior acervo de desfiles nacionais e internacionais da internet. Descubra todo ele aqui.

    Não deixe de ver
    Osklen Red Edition: conversarmos com Oskar Metsavaht sobre moda atual, sustentabilidade e futuro
    Ugly chic: o que significa?
    Timothée Chalamet estrela nova campanha cinematográfica da Chanel
    New Balance celebra Grey Days em maio
    Greta Gerwig veste Maison Margiela em Cannes e é criticada nas redes
    Uniqlo anuncia lançamento de fast fashion nos EUA
    Grupo Arezzo&Co faz evento de lançamento de novas coleções em São Paulo
    A camisa polo foi atualizada e ganha uma cara nova em 2024
    Essas 5 marcas esnobaram Zendaya no tapete vermelho, saiba quais são elas
    Gucci traz de volta o Boho chic em coleção de resort 2025
    FFW